O homem suspeito de mandar matar o pediatra Júlio César de Queiroz Teixeira, 44 anos, dentro da clínica onde ele trabalhava, teve a prisão decretada e é considerado foragido. A informação foi divulgada nesta terça-feira (5) pela Justiça de Barra, cidade do oeste da Bahia, onde o crime aconteceu. Júlio César foi morto quando estava em atendimento.

Ele foi baleado na frente de pacientes e da esposa, que é enfermeira e trabalhava com ele no local. Segundo informações do delegado Jenivaldo Rodrigues, responsável por investigar o caso, Diego Santos Silva, de 31 anos, é apontado como o mandante do crime. Buscas foram feitas em três possíveis locais onde ele poderia estar escondido, na segunda-feira (4).

Apesar de ser apontado como mandante do crime, a família de Júlio César acredita que Diego Silva tenha sido um intermediário entre a pessoa que encomendou o assassinato e os executores. Diversas versões da motivação do crime já foram apresentadas à polícia, mas oficialmente a hipótese trabalhada é de que o médico teria assediado uma mulher. Essa motivação foi totalmente rejeitada pela família. Para os irmãos, o médico pode ter sido morto por uma disputa de espaço de trabalho.

“Você começa a juntar as peças. Júlio César não tinha inimigos, tinha uma vida correta. A única coisa que sobra é a questão profissional. A gente desconfia de algo ligado à disputa de espaço médico, mas a gente não sabe quem, nem o porquê. A gente espera que a polícia nos conclua o que foi que houve com Júlio Cesar”, diz Geraldino Gustavo.

A Polícia Civil informou que só vai falar sobre o caso depois de concluir o inquérito. Quatro suspeitos já foram presos: os executores do crime e um casal, que conforme as investigações, atuou como olheiro. Os três homens foram encaminhados para a penitenciária de Barreiras e a mulher está presa na delegacia de Barra. A polícia segue em busca do mandante do crime. G1