Foto: Divulgação/Polícia Civil

Dois homens foram condenados a mais de 20 anos de prisão pelo homicídio de um motorista por aplicativo, esfaqueado e queimado vivo, em novembro de 2019, entre as cidades de Vitória da Conquista e Barra do Choça, no sudoeste do estado. Os condenados deverão cumprir a pena em regime inicialmente fechado e a decisão cabe recurso.

O júri popular aconteceu na terça-feira (9), na cidade de Vitória da Conquista, presidida pela juíza Janine Soares de Matos Ferraz, mas a decisão foi divulgada nesta última quarta (10), pelo Ministério Público Estadual (MP-BA).

Segundo o MP, Rodrigo Porto Oliveira Filho recebeu uma pena de 26 anos e 2 meses de reclusão, 1 ano e 2 meses de detenção e 46 dias-multa pelos crimes de homicídio qualificado consumado, furto qualificado, ocultação de cadáver, adulteração de sinal identificador de veículo e posse irregular de munição de uso permitido.

Alexandre Cruz de Brito foi condenado a 22 anos e 8 meses de reclusão, além de 24 dias-multa, pelos crimes de homicídio qualificado consumado, furto qualificado e ocultação de cadáver. A denúncia do MP aponta que o motorista por aplicativo Hiago Evangelista Freitas, de 24 anos, recebeu dos condenados a solicitação para uma corrida.

Após uma emboscada, ele foi atingido por golpes de faca e teve o corpo queimado ainda com vida, em um local entre as cidades de Vitória da Conquista e Barra do Choça. Conforme o MP, o carro teve a placa adulterada por Rodrigo e depois foi abandonado. O órgão informou que o crime foi cometido com requintes de crueldade, a mando de um interno do conjunto penal de Vitória da Conquista, que acreditava que a vítima tinha um relacionamento extraconjugal com sua companheira. O detento ainda não foi identificado. G1