Foto: Egi Santana/G1 BA

A pandemia do novo coronavírus tem causado uma movimentação de soteropolitanos para a Ilha de Itaparica com o objetivo de se refugiar durante o período de contágio. Esse trânsito deixou em alerta o governo da Bahia, que determinou a redução do horário das travessias e suspendeu o serviço durante o feriadão da Semana Santa, que costumeiramente gera filas nos dois sentidos.

Apesar disso, a comunidade de Vera Cruz ainda está preocupada com a aglomeração e o trânsito de pessoas vindas da capital, que é o epicentro da doença no estado. Em contato com o Bahia Notícias, o vereador Jorge Carvalho (PSD) afirmou que a população sente “desespero” e cobrou que o governo suspenda a travessia nesta fase.

“A gente vem solicitando do governo do estado a suspensão da travessia do Ferry-Boat. Estamos tendo dificuldade. Primeiro ele reduziu o horário, o que gera um acúmulo maior de pessoas. Claro que a ideia é resolver o problema da empresa, concordo, mas por outro lado há um risco real de dar socorro para as pessoas. Ele adotou uma medida de suspender somente na Semana Santa. Está todo mundo vindo de forma antecipada, o que torna a medida nula. Queremos que seja uma medida definitiva”, declarou.

Jorge Carvalho ressaltou que algumas pessoas não estão respeitando o isolamento social e indicou a “dificuldade geográfica” e a falta de estrutura médica para atender possíveis infectados.

“Estamos desesperados, já conversei com o prefeito de minha cidade. Mas estamos encontrando dificuldade. As pessoas estão vindo para fazer veraneio, circulando abertamente. Tem gente que está mantendo a quarentena, mas estão chamando os nativos para trabalhar e estão indo na praia, pessoas circulando nas ruas e se aglutinando nas lotéricas. Não temos leito de UTI e não temos respiradores. Está faltando mais rigidez. Por nossa geografia ser complicada, fica sendo essa a nossa preocupação”, explicou.

A reportagem também procurou o secretário de Infraestrutura do estado, Marcus Cavalcanti. Ele destacou as ações que estão sendo tomadas para conter essa movimentação e indicou que a Seinfra está fiscalizando diariamente. Segundo ele, novas medidas podem ser tomadas caso seja necessário.

“Nós reduzimos os horários e na próxima semana teremos até a quarta-feira. Isso vai diminuir a pressão. Começamos uma fiscalização para detectar a ocupação do ferry e tomar novas medidas. Estamos trabalhando nisso e o que queremos impedir mais é o deslocamento”, disse. No entanto, Marcus Cavalcanti ponderou que a travessia é importante para pessoas que trabalham do outro lado.

“O que a gente tem que analisar é que existem pessoas da ilha que trabalham aqui. Estamos conversando com os prefeitos como vamos fazer. E também tem profissionais de saúde que trabalham na ilha. Caiu o movimento, está muito baixo. Mas vamos seguir avaliando. No momento, temos que manter o mínimo para essas pessoas que trabalham. Estamos sempre avaliando os casos”, completou. (Bahia Notícias)