foto alba

Apesar das aprovações dos projetos apresentados pelo governo Jerônimo Rodrigues (PT) na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba) vem chamando a atenção o baixo quórum, principalmente dos deputados governistas, nas sessões de votação na Casa Legislativa.

Na sessão de quarta-feira (15), os parlamentares aprovaram a urgência para a votação do pedido de empréstimo de R$ 2 bilhões ao governo baiano, a contragosto da bancada de oposição, liderada por Alan Sanches (União Brasil), que foi orientada a votar contrário ao pedido, sob pena de perda do fundo eleitoral e desfiliação do partido.

A apreciação da urgência, no entanto, contou apenas com a presença de 34 parlamentares governistas, em uma bancada formada por 42. Procurado pelo bahia.ba, o deputado estadual Luciano Araújo (Solidariedade), que está em viagem para tratar sobre assuntos partidários, rechaçou qualquer insatisfação dos legisladores com a atual gestão. “Não tem nenhum problema com o governo. Nós estamos votando junto com ele. Estamos unidos”, afirmou o parlamentar.

O baixo número de deputados presentes no plenário da Casa quase resultou também no adiamento da votação do programa Bahia pela Paz, aprovado na terça-feira (14). Por um acordo entre os líderes, Rosemberg Pinto (PT) e Alan Sanches (União Brasil), a proposição foi votada, destravando os demais projetos da Alba.

Uma fonte ligada ao governo, contudo, revelou ao bahia.ba que o movimento protagonizado pelos deputados estaduais leva em conta a insatisfação de alguns parlamentares por falta de atendimento em secretarias estaduais. Os legisladores reivindicam um tratamento de “igual para igual” nas pastas, o que não vem acontecendo. A situação atinge os parlamentares que não votaram com Jerônimo no 1º turno eleitoral em 2022.

“Tem deputados pedindo uma audiência com as secretarias a quase um ano e não são atendidos. Com isso, os deputados não se sentem à vontade para votar os projetos”, contou. O assunto já vem sendo tratado pelo chefe de gabinete do governador, Adolpho Loyola, que reuniu a ala dos insatisfeitos, com integrantes do G8 e o G+, e prometeu agilizar as audiências dos parlamentares nas referidas pastas.

Para acalmar os ânimos dos aliados, o chefe de gabinete de Jerônimo também reunirá os secretários estaduais para cobrar prioridade nas demandas dos que apresentaram as queixas. Além do pedido de empréstimo, também tramita na Alba, o reajuste salarial de 4% do funcionalismo público, que ficou pendente de votação na última terça.