Foto: Olga Leira | Ag. A TARDE

Em dois dias, dois ônibus da frota do transporte público de Salvador foram alvos de atentados provocados por criminosos. O primeiro deles foi incendiado em São Marcos na quinta-feira, 10, e o segundo no Jardim Santo Inácio, nesta sexta-feira, 11. As ações tiveram o mesmo modus operandi: homens invadem o veículo, aterrorizam os passageiros e depois tocam fogo.

Chegou a seis o número de ônibus queimados em ataques em Salvador. A onda de terror foi iniciada em março de 2023, com um veículo queimado no bairro de Sussuarana. Houve mais casos em Sussuarana, além dos registrados em São Marcos e Jardim Santo Inácio.

O Portal A Tardeouviu o diretor da Integra, consórcio responsável pelo transporte por ônibus em Salvador, Jorge Castro, que cobra respostas sobre os ataques sofridos. “Tenho tentado há alguns anos tratar esse assunto como atentados, motivada por essa guerra que existe em Salvador. Infelizmente, a prefeitura e parte da imprensa trata como vandalismo. Nos últimos cinco anos esse assunto ficou mais rotineiro e a pergunta que eu faço é: há apuração? Até hoje, não houve um indivíduo preso ou condenado por isso”.

Ainda segundo o diretor, a Integra precisa ser trada como vítima da violência que tem ocorrido na cidade. “O problema não é quanto custa um ônibus, mas saber o que está se fazendo para resolver o problema. Nesses casos nós somos apenas uma vítima”. A Tarde