EC Bahia

A festa tomou conta da Arena Fonte Nova neste domingo (2). Diante de 48.598 torcedores, o Bahia derrotou o Jacuipense por 3×0 e faturou seu 50º título do Campeonato Baiano. Um dos principais nomes dessa conquista foi o atacante Everaldo. Ele já havia marcado na ida – que terminou em empate em 1×1 – e balançou as redes de novo na volta, abrindo o placar. Também deu assistência para o gol de Cauly – Jacaré, de pênalti, fechou a conta.

O centroavante terminou na artilharia do estadual, empatado com Cesinha, do Itabuna. Foram seis gols em 11 partidas disputadas – sendo quatro deles entre as semis e finais. Everaldo comemorou a marca e o troféu tricolor após um início de temporada que ele chamou de ‘difícil’

“Eu estou muito feliz pelo triunfo, pelo título. Foi um começo de temporada difícil não só para mim, mas para todo grupo. Parabéns para todos. Acreditamos que seria possível e conquistamos. Agora é celebrar”, falou, em entrevista à TVE.

Matheus Bahia também refletiu sobre o início de temporada, que teve eliminação na primeira fase da Copa do Nordeste. O lateral destacou a importância do troféu para o tricolor em 2023, mencionando a disputa do Campeonato Brasileiro. O time também terá pela frente a terceira fase da Copa do Brasil, diante do Volta Redonda. A CBF ainda irá divulgar as datas e horários das partidas dos dois torneios.

“A gente fica muito feliz. Começar dessa forma, com o título, a gente precisava. Passamos por um momento muito difícil no começo de ano, e selar com esse título dá confiança muito grande para a gente no Campeonato Brasileiro. Vamos sempre buscar mais troféus”, comentou.

Autor do terceiro gol na decisão, Jacaré falou sobre uma ‘forcinha’ que teve antes de vestir a camisa tricolor. O camisa 29 revelou uma conversa que teve com o meia Vina – que já atuou pelo Esquadrão e hoje está no Grêmio – quando ainda eram colegas de clube no Ceará. “Feliz. Primeiramente grato a Deus por vestir essa blusa. Uma blusa de um time grande, que tem história, tradição. Muito feliz de ter sido campeão”, falou.

“Quando vim para o Bahia, saí do Ceará, o Vina me falou que eu ia ser feliz aqui, e eu estou sendo feliz. Grato de ter vindo na Série B, colocado o time na Série A, ter feito gol em clássico e agora ser campeão. Continuar trabalhando que vem mais coisa pela frente”, completou o camisa 29, em entrevista à TVE.

Cauly, por sua vez, chamou o título de ‘especial’. Nascido em Porto Seguro, o meia deixou o Brasil aos 11 anos para fazer carreira na Europa. Voltou ao país para atuar no Bahia, e faturou a taça do Baianão em sua primeira experiência no futebol nacional.

“Muito feliz, primeiro título aqui no Bahia. Um dia muito especial para todos, estão de parabéns. Foi uma caminhada longa. Hoje, mostramos mais uma vez que fizemos um bom jogo. Estou muito feliz de poder ter ajudado mais uma vez com o gol e por esse título. Sendo daqui de Porto Seguro, é muito especial para mim também fazer parte dessa história”, afirmou, também à TVE.

Quem também comemorou a conquista do 50º troféu do Baianão foi o presidente do Bahia, Guilherme Bellintani. Ele lembrou a ‘nova era’ do clube, que teve sua SAF adquirida pelo Grupo City no fim do ano passado.

“[O título] Representa, primeiro, pela nova era do Bahia. Representa pela força regional que nós temos. Mas, principalmente, se a gente pega um título como esse… Consegue olhar no médio e longo prazo que o Bahia, além de força regional, de superioridade regional, pode voltar ter o protagonismo nacional. É isso que a gente quer para nosso clube”, comentou. Correio da Bahia