Foto: Joá Souza/GOVBA

O governador Jerônimo Rodrigues (PT) disse na quarta-feira (13) que estranhou o pedido de inscrição para a construção de uma policlínica feito pelo prefeito Bruno Reis (União) no PAC Seleções do governo do presidente Lula (PT). Em conversa com a imprensa na Assembleia Legislativa, na qual destacou o crescimento do vice-governador Geraldo Júnior (MDB) na pesquisa AtlasIntel divulgada esta semana, o petista também criticou o fato de a Prefeitura não ter inscrito nenhum pedido de creche dentro do programa federal.

“Achei estranho isso porque a Prefeitura nunca colaborou com o projeto do Estado das policlínicas. E o que eu gostaria de ver mesmo era a inscrição para a construção de creches, onde há um déficit na cidade. Vários municípios mais pobres pediram isso no PAC, e Salvador, não. Deve ser porque tem dinheiro para fazer com o próprio orçamento e quis deixar os recursos federais para os outros municípios que mais precisam. Só posso acreditar que seja isso”, declarou Jerônimo, que foi à Assembleia entregar o projeto do Executivo Bahia pela Paz, com ações transversais na área de segurança pública.

Atualmente, Salvador tem duas policlínicas, ambas geridas pelo governo da Bahia. O governador afirmou ainda que o Estado assume a responsabilidade por 70 mil estudantes do ensino fundamental que deveriam estar a cargo da Prefeitura. “A lei é clara: cabe ao governo cuidar do ensino médio, enquanto os municípios tratam do fundamental. Isso não é respeitado em Salvador”.

Sobre o resultado da pesquisa AtlasIntel, Jerônimo comemorou o crescimento de seis pontos de Geraldo Júnior. “E olha que a gente nem entrou na campanha ainda. Geraldo tem dialogado e feito grandes agendas no sentido de fazer uma frente com partidos e com setores da sociedade, embora seja reconhecido como candidato do presidente Lula e de Jerônimo, alguém que vai levar melhorias para o povo que mora na cidade”, frisou.

Geraldo Júnior esteve com o governador na Assembleia, assim como o presidente da Casa, deputado Adolfo Menezes (PSDB), parlamentares, secretários estaduais e dirigentes de órgãos públicos, além do procurador-geral de Justiça, Pedro Maia, e da presidente do Tribunal de Justiça da Bahia, desembargadora Cynthia Maria Pina Resende. Política Livre