Após audiência envolvendo a guarda da filha de Sara Mariano, que aconteceu no Fórum das Famílias, no bairro de Nazaré, em Salvador, na quarta-feira (29) a justiça não definiu com quem a menor vai ficar.

Conforme informações apuradas pelo Portal A TARDE, a juíza responsável pelo caso, que é substituta, resolveu não tomar uma decisão definitiva. O juiz titular vai julgar o processo. Ainda segundo informações recebidas pela reportagem, o Ministério Público da Bahia (MP – BA) tem um prazo de sete dias para emitir uma manifestação e logo em seguida o juiz irá tomar uma decisão.

A pastora Sara Mariano foi vista pela última vez com vida na noite do dia 24 de outubro, ao deixar a casa da família. Na época, Ederlan Mariano chegou a registrar o boletim de ocorrência pelo desaparecimento da esposa, e afirmou que ela tinha saído com destino a eventos religiosos, mas alegou não saber quais.

Três dias após o desaparecimento, no dia 27 de outubro, o corpo dela foi encontrado carbonizado, em uma área de mata às margens da BA-093, na região de Dias D’Ávila, cidade da Região Metropolitana de Salvador.

O marido da cantora, Ederlan Santos Mariano foi preso na madrugada do dia 28 de outubro, após confessar ter cometido o crime. O corpo de Sara Mariano foi sepultado no dia 30 de outubro, em Salvador, sob forte comoção de amigos e familiares. Já no dia 1º de novembro, Ederlan foi transferido para o Complexo Penitenciário da Mata Escura, onde segue preso por prisão temporária de 30 dias. A Tarde