redes sociais

A Justiça da Bahia prorrogou as prisões preventivas de três suspeitos de envolvimento no assassinato da cantora gospel Sara Freitas. A vítima foi encontrada morta no dia 27 de outubro, às margens da BA-093, na altura de Dias D’Ávila, cidade da Região Metropolitana de Salvador. Antes disso, ela ficou desaparecida por quatro dias.

A família da artista pediu para que a imprensa não chame mais a cantora de “Sara Mariano”, com a justificativa de que não quer mais associá-la ao sobrenome do marido, preso suspeito de comandar o crime.

Com a prorrogação das prisões preventivas, Gideão Duarte, Victor Gabriel e Bispo Zadoque seguirão custodiados nas unidades prisionais. A informação foi confirmada pelas defesas dos suspeitos e da vítima.

Na terça-feira (12), a Justiça concedeu a guarda provisória da filha da cantora gospel para a família paterna. A informação foi divulgada por Sarah Barros, advogada da família da vítima. A defesa da família materna vai recorrer da decisão.

A advogada relatou, em nota oficial, que o juiz responsável pelo caso decidiu a guarda provisória através de uma liminar e vai dar continuidade ao processo com estudo do Serviço de Apoio e Orientação Familiar (SAOF) do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA). A decisão não foi divulgada porque o caso segue em sigilo de Justiça, por se tratar de uma menor.

A garota de 11 anos é fruto do relacionamento da cantora gospel com Ederlan Mariano, suspeito de mandar matar a esposa. Ela está com a família paterna desde a prisão de Ederlan, ocorrida em 28 de outubro.

Ederlan está detido no Complexo Penal da Mata Escura, em Salvador. No dia 24 de novembro, a Justiça da Bahia prorrogou a prisão temporária dele por mais 30 dias. Segundo o delegado Euvaldo Costa, responsável pelas investigações, Ederlan “deixou clara a intenção de destruir as possíveis provas que estavam armazenadas no celular da vítima e prejudicar as investigações dos fatos”. Ainda segundo delegado, o suspeito confessou o crime. G1