ec vitoria

A “entrega e dedicação dos jogadores” do Vitória foram valorizadas por Léo Condé após o Rubro-Negro segurar o empate sem gols com o Atlético-GO na noite deste domingo. O time jogou com um a menos desde os 25 minutos do primeiro tempo, quando Camutanga foi expulso no Estádio Antônio Accioly, em Goiânia.

Devo destacar a entrega e dedicação dos jogadores, que honraram a camisa do Vitória em um jogo difícil como esse”.

— Léo Condé, treinador do Vitória.

– Uma postura que o Vitória apresenta em quase toda competição. Tivemos sim umas cinco ou seis partidas que não conseguimos produzir tanto ofensivamente, mas temos o melhor ataque da competição. É uma equipe que está sempre chegando, sempre criando e nós não vamos abdicar disso. Claro que hoje, devido à situação, tivemos que marcar em um bloco mais baixo e sair em velocidade, mas não deixamos de buscar a vitória diante das circunstâncias – completou o treinador.

A expulsão de Camutanga obrigou Léo Condé a recalcular a rota que ele tinha planejado para a partida. O Vitória entrou em campo com quatro meio-campistas: Dudu, Matheus Trindade, Matheusinho e Thiago Lopes. O último foi uma surpresa na escalação.

Condé explicou que apostou na formação inédita para tentar povoar o meio de campo e tentar surpreender o adversário. A ideia, no entanto, não foi testada por muito tempo, já que o Rubro-Negro ficou com um jogador a menos desde os 25 minutos da primeira etapa.

– Jogo muito difícil. Estudamos muito o adversário e entramos com a proposta de neutralizar o meio de campo deles, que é muito forte. Estávamos conseguindo fazer isso bem, tendo posse de bola e pressionando a saída deles. (…) Eles não esperavam que a gente fosse com quatro homens de meio, foi a primeira vez que usamos essa tática na Série B. O campeonato é estudado por todos. Muito se imaginava que poderíamos ir com três zagueiros ou três atacantes, mas, pelo que vimos do time deles, a gente precisava preencher o meio-campo, para ter sustentação, principalmente no início do jogo, e para soltar mais a equipe no segundo tempo. A expulsão acabou atrapalhando os planos, mas eu acredito que o plano para o jogo foi positivo até a expulsão – analisou Condé.

Mesmo com um jogador a menos, a partir da metade do segundo tempo Léo Condé fez substituições que deixaram o Vitória mais ofensivo. Zé Hugo, Mateus Gonçalves e Osvaldo deram fôlego novo ao Rubro-Negro. O treinador explicou que a partir do nervosismo do adversário, viu que poderia buscar um algo a mais.

– No segundo tempo eles começaram a ficar ansiosos ao tentar furar nossas linhas de defesa, foi quando começaram a errar muitos passes e a surgir os contra-ataques. Nós seguramos o máximo para colocar Mateus Gonçalves e Zé Hugo no momento certo, mas é claro que a gente não tem a receita. Acho que nesse momento poderíamos ter feito o gol. Também no momento em que o jogador deles saiu, que igualou os jogadores de linha e quase fizemos o gol com Mateus Gonçalves. Ainda assim, Ronaldo fez três milagres e garantiu o resultado para eles – finalizou.

O Vitória terá novo desafio em busca do título da Série B em cinco dias. Na próxima sexta-feira, o Rubro-Negro baiano recebe o Mirassol, às 19h15 (de Brasília), no Barradão, pela 26ª rodada. Globoesporte