Condenado em primeira instância a indenizar um casal de fãs em R$ 35 mil após seguranças agredi-los em um show do artista em Guarapari, Espirito Santo, Léo Santana irá recorrer da decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal. O caso, que aconteceu em 2018, após o artista dar início ao show com mais de 6 horas de atraso, e ser ofendido com gestos obscenos por Maurício Camargo. Na ocasião, Léo protestou de cima do palco: “Me respeite, seu vagabundo, venha aqui em cima falar”.

O espectador então, teria subido ao palco em direção a Léo e na sentença afirma ter sido “foi surpreendido com golpes e socos por membros da equipe do músico, assim como por empregados da casa de shows”. A mulher que acompnhava Maurício, Mariana de Sena Silveira, também alega ter sido “violentada” pela equipe. Ao Bahia Notícias, a assessoria do artista reafirmou que não houve agressão da parte do cantor e negou que um segurança da sua equipe teria agido na situação.

“Na segurança do artista Léo Santana, existe apenas 01 profissional altamente especializada que é um Capitão reformado do Batalhão de Choque da Polícia Militar da Bahia que já trabalha com artistas a muitos anos e tem total experiência e capacitação em lidar com o público e fãs”. No comunicado enviado ao site, é informado ainda que Léo preza por sua relação com os fãs e segue normas de segurança durante seus shows.

A dupla pede indenização por danos morais e materiais, “consistentes em medicações, transporte, passagens aéreas, hospedagem e incapacidade para o trabalho”. “Uma das coisas que Léo mais preza e tem como base em sua carreira, não só como artista, mais também como pessoa, é com o trato com o público em geral, todos da equipe, em especial a segurança são orientados para dar um tratamento de qualidade e íntegro respeitando os limites e emoções de seus fãs e admiradores”. (BN)