O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), não está satisfeito com a articulação do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), na Casa. No entanto, ele garantiu que não vai “não vai sacanear” o presidente nas votações. A declaração foi dada em entrevista concedida ao jornal O Globo, publicada neste domingo (30).

Na conversa, Lira disse que a relação do Palácio do Planalto com o Congresso Nacional não é de “satisfação boa”, mas garantiu que vai atuar a favor das propostas econômicas do governo. “É diferente começar um mandato de presidente da Câmara em início de governo. Em 2021, quando entrei na metade do período do (Jair) Bolsonaro, o texto que previa a autonomia do Banco Central já estava pronto, com ambiente bom e base consolidada”, disse.

“Qual é a realidade desta legislatura? Aprovamos a PEC da Transição, que foi votada no governo anterior, mas com gerência completa da equipe do Lula. Depois, houve uma acomodação e a formatação de um governo de coalizão, com troca de ministérios por apoios, que está comprovado que não vai dar certo. As emendas resolvem isto sem ser necessário um ministério. Da forma como está, o parlamentar fica com o pires na mão e um ministro, que não recebe votos e não faz concurso, é quem define a destinação de R$ 200 bilhões para municípios do Brasil”, acrescentou.

Lira ainda descartou estar atuando como um aliado do governo. Ele afirmou que “trabalha para dar tranquilidade ao Brasil”. “Poderia ter sido eleito presidente da Câmara sem o PT, mas aceitei o apoio e não vou sacanear o governo. Não vou trabalhar contra nem atuar deliberadamente para prejudicar. Mas o presidente da Câmara não é um agregado, ele é um parceiro. Então, vamos ajudar nas pautas, como no projeto do arcabouço fiscal. Tudo o que pudermos fazer para que o ambiente de negócios fique melhor, com menos juros e inflação, faremos”, declarou. BNews