Foto: Allan Patrick/Medeirosneto.com

Imagens aéreas mostram a cidade de Medeiros Neto após o temporal que atingiu o sul e extremo sul da Bahia durante a semana. De acordo com a prefeitura, a estimativa é de que mais de duas mil pessoas tenham ficado desabrigadas ou desalojadas no município. O município decretou estado de calamidade pública. Ainda segundo a prefeitura, choveu cerca 300 mm no intervalo de três dias, quando a média de chuva esperada na cidade era de 40 mm para o mês de dezembro.

Os rios Água Fria e Itanhém transbordaram e a ponte que liga o centro da cidade ao bairro de São Bernardo ficou submersa. Por causa do temporal, as lojas do centro da cidade ficaram completamente alagadas. Carros foram levados pela enxurrada e casas desabaram. A prefeitura não soube informar o número de ocorrências. Apesar dos transtornos, de acordo com a prefeitura de Medeiros Neto, não houve mortes e ninguém se feriu gravemente.

Juntamente com a Defesa Civil, a prefeitura realizou uma ação preventiva antes dos alagamentos tomarem a cidade. As pessoas foram instruídas a deixar suas casas e foram disponibilizados veículos para levá-las até os abrigos. Os desabrigados e desalojados foram alocados em compartimentos públicos do município até a situação ser normalizada. Neste domingo (12), o governador Rui Costa sobrevoou a cidade.

Ele anunciou que vai destinar recursos para a reconstrução de casas e linha de crédito para que os comerciantes possam retomar suas atividades. A chuva estiou no município, porém algumas regiões da cidade seguem alagadas, como os bairros de Vila Pedrosa, São Jorge, Bom Jesus e Kit Moradia. A principal praça da cidade, conhecida como Praça Sete, também continua alagada. A água foi escoada na ponte que liga o centro da cidade ao bairro de São Bernardo, mas o equipamento segue interditado para veículos. G1