Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom | Agência Brasil

Responsável pela mobilização em favor do ex-presidente, Jair Bolsonaro, o pastor evangélico Silas Malafaia, presidente da igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, disse que não convidou líderes evangélicos para o ato que será realizado em São Paulo, no próximo final de semana. Segundo o líder religioso, responsável pelo financiamento da manifestação, a decisão foi tomada para evitar “o negócio de subir em trio elétrico”.

“Você já viu aquele ditado que quem convida tem que dar festa? Então, quem convida dá festa. Então, para evitar problema que vai ser uma lenha com o negócio de subir em trio, nós não estamos convidando ninguém”, declarou em entrevista publicada pelo portal Uol neste domingo (18.fev.2024).

O pastor disse que irá bancar o investimento ao ato na capital paulista com dinheiro próprio. Antes, em fala a jornalistas na 5ª feira (15.fev.2024), afirmou que a verba sairia da Associação Vitória em Cristo. “Para evitar qualquer tipo de questionamento de que uma entidade religiosa está bancando evento político, eu falei: eu assumo e acabo com essa história”, declarou Malafaia.

Ato – Bolsonaro convocou seus apoiadores para um ato “em defesa do Estado democrático de direito” em 25 de fevereiro às 15h na av. Paulista, em São Paulo. Segundo ele, a manifestação será para se defender de “todas as acusações” que têm sofrido nos últimos meses.

O ex-presidente e aliados foram alvo da operação Tempus Veritatis por suposta tentativa de golpe de Estado para mantê-lo na Presidência da República. Até o momento, o ato tem ao menos 3 governadores, 8 senadores (9% do Senado) e 84 deputados federais confirmados (16% da Câmara). Bahia.Ba