Foto: Flickr/Marcelo Nilo

Desde do início da abertura das candidaturas para a vaga no Tribunal de Contas do Município (TCM), os deputados estaduais da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) começaram a se movimentar em relação a qual candidato irá apoiar. A disputa está entre Paulo Rangel (PT) e o ex-parlamentar Marcelo Nilo (Republicanos). Lembrando que o deputado Fabrício Falcão (PCdoB) não pode mais concorrer por falta de assinaturas.

O deputado Paulo Rangel conta com o apoio do presidente da Alba, Adolfo Menezes (PSD); o líder do governo, Rosemberg Pinto (PT) e os deputados: Alex da Piatã (PSD), Angelo Coronel Filho (PSD), Antonio Henrique Jr. (PP), Binho Galinha (Patriota), Cafu Barreto (PSD), Cláudia Oliveira (PSD), Eduardo Alencar (PSD), Eduardo Salles (PP), Euclides Fernandes (PT), Fabíola Mansur (PSB), Fátima Nunes (PT), Felipe Duarte (PP), Ivana Bastos (PSD), Júnior Muniz (PT) e Luciano Araújo (SD). Assinaram ainda a indicação: Ludmila Fiscina (PV), Maria del Carmen (PT), Marquinho Viana (PV), Matheus Ferreira (MDB), Niltinho (PP), Neusa Cadore (PT), Raimundinho da JR (PL), Ricardo Rodrigues (PSD), Robinson Almeida (PT), Rogério Andrade (MDB), Vitor Azevedo (PL), Vitor Bonfim (PV), Zé Raimundo Fontes (PT), Laerte de Vando (PSC), Eures Ribeiro (PSD), Hassan (PP), Nelson Leal (PP), Patrick Lopes (Avante), Roberto Carlos (PV) e Soane Galvão (PSB).

Já Marcelo Nilo, conta com o apoio dos deputados Alan Sanches (UB), líder da minoria, Jordávio Ramos (PSDB), José de Arimatéia (Republicanos), Júnior Nascimento (UB), Juraílton Santos (Republicanos), Kátia Oliveira (UB), Leandro de Jesus (PL), Luciano Simões Filho (UB), Manuel Rocha (UB), Marcelinho Veiga (UB), Pablo Roberto (PSDB), Pedro Tavares (UB), Pancadinha (Solidariedade), Penalva (PDT), Robinho (UB), Samuel Junior (Republicanos), Sandro Régis (UB) e Tiago Correia (PSDB).

De acordo com Nilo, a desistência de Fabrício Falcão foi um erro político da Assembleia. Ele não reuniu o número mínimo de assinaturas necessárias e tentou participar da disputa através de um apelo à Mesa Diretora, que tem a prerrogativa de chancelar um candidato. “Eu que, quando eu fui presidente, que criei esses critérios, 20% dos deputados ou a mesa ou o presidente, ele não alcançou os 20%. Agora, eu acho que o PCdoB deve participar da sessão. Eu acho que não ir votar é uma coisa ruim, entendeu? Porque a democracia é isso”, disse ele.

Paulo Rangel também comentou sobre o caso: “Eu lamento, eu espero que eles repensem e que até amanhã eu consiga fazer com que eles estejam em plenário de voto”, desabafou Paulo Rangel sobre o PCdoB não participar da votação nesta terça-feira (5). Nilo também comentou a declaração do governador Jerônimo Rodrigues (PT), que afirmou que não irá interferir na vaga. “Ele tem dito que não vai se meter. Eu acredito no governador, entendeu? Mas a decisão que ele tomar é democrata e eu respeitarei. Isso aí é um problema do governo porque na realidade eu sou candidato nem do governo nem da oposição. Eu sou candidato da Assembleia”. Por fim, Paulo Rangel, que é o candidato do governo, enfatizou que de fato Jerônimo Rodrigues não irá interferir na vaga. “Inclusive ontem tomei café da manhã com ele”. BNews