O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, foi sorteado relator da apuração sobre supostos repasses da J&F por meio de caixa 2 ao deputado Onyx Lorenzoni (DEM). Responsável pela transição de governo, Onyx será o ministro da Casa Civil no governo Bolsonaro. A apuração sobre o suposto caixa 2 está sob análise da PGR, que decidirá se pede a abertura de um inquérito ou o arquivamento do caso.

 

Inicialmente, o caso estava sob a relatoria de Edson Fachin, mas o ministro, atendendo a um pedido da PGR, solicitou à Presidência do STF para sortear um novo relator por entender que o caso não tinha relação direta com a Lava Jato. Em novembro, o Jornal Nacional mostrou que Onyx aparecia em uma planilha de repasses de caixa dois referente a 2012.

 

Na ocasião, o futuro ministro disse ser um “combatente contra a corrupção” e afirmou que a notícia “requenta uma informação do ano passado”. No ano de 2017, Lorenzoni admitiu ter recebido R$ 100 mil por meio de caixa dois para a campanha de 2014. À época, Onyx não falou sobre doações em 2012. No caso de Lorenzoni, o Supremo Tribunal Federal autorizou que no mesmo procedimento estejam as delações sobre repasses em 2012 e 2014.