Arquivo/Agência Brasil

O ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa utilizou a rede social X (antigo Twitter) na segunda-feira (24), para realizar críticas ao governo do presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Barbosa disse que Lula é “omisso”, “conservador à la carte” e “incapaz de liderar o país” em determinadas questões. O ex-presidente do STF declarou voto em Lula nas eleições de 2022. A informação é de uma matéria do UOL.

“Infelizmente, em inúmeras ‘questões de sociedade’ o País é acéfalo. O Congresso, omisso, retrógrado, um horror! O presidente da República, também omisso em muitas questões, em cima do muro em outras, conservador ‘à la carte’, é incapaz de liderar o país em várias áreas em que poderíamos avançar significativamente se o natural poder de liderança e persuasão conferido ao ocupante da cadeira presidencial fosse inteligentemente usado para fazer avançar certas pautas que nos colocam na ‘vanguarda do obscurantismo’!”, escreveu Barbosa.

O UOL aponta que as falas acontecem após discussões e derrotas do governo sobre questões importantes para a gestão do mandatário do Brasil, como a urgência do projeto de lei que equipara o aborto realizado após as 22 semanas ao crime de homicídio, mesmo em casos de estupros, e a derrubada do veto presidencial da saidinhas dos presos.

O UOL destaca que Barbosa esteve no STF de 2003 a 2014, sendo que nos dois últimos anos foi presidente da Corte. Ele foi indicado pelo chefe do Palácio do Planalto à ingressar ao Tribunal e apoiou o petista nas eleições de 2022. Após a vitória de Lula, o ex-ministro, na época, parabenizou o então presidente eleito. Também no X, ele disse que “venceram a democracia, a civilidade, a reverência às normas consensualmente estabelecidas para reger o bom funcionamento da sociedade”. “Parabéns a Lula, a Alckmin e aos governadores democraticamente eleitos neste domingo. E, claro, ao povo brasileiro.”

Na ocasião, ele também comemorou a derrota do ex-presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), dizendo que saíram “de cena o grotesco, a barbárie e a intimidação como elementos indissociáveis do exercício cotidiano do poder”, acrescenta o UOL. Bahia.Ba