Mãe Bernadete. Crédito: Reprodução

A delegada Andréa Ribeiro, diretora do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), disse em coletiva nesta sexta-feira (18) que dois homens estão sendo procurados pela morte de Mãe Bernadete, executada ontem à noite em Simões Filho. A polícia ainda não sabe se há câmeras que podem ajudar na investigação, mas está à procura.

A delegada diz que a Polícia Civil ainda não tem conhecimento sobre o programa de proteção que Mãe Bernadete fazia parte. “Se por ventura ela integrava algum programa de proteção à testemunha isso será trazido aos autos e levado em consideração na investigação”,

Ela diz também que a busca de imagens que possam ajudar na investigação é algo rotineiro em casos de homicídio. “Nesse momento não tenho informações que a gente já tem imagens sendo analisadas, mas nossas equipes já estão em busca disso, dessas imagens, desse possível trajeto que foi feito pelos executores. Informação que temos é que o crime teria sido cometido por duas pessoas a bordo de uma motocicleta”, explica.

A delegada falou da possibilidade do crime ter ligação com conflitos por terra – a líder quilombola vinha sofrendo ameaças, segundo advogado da família, por parte de pessoas envolvidas em extração ilegal de madeira. “A gente não descarta essa hipótese, assim como não descarta a hipótese de ameaça, ou outras que possam estar relacionadas à atuação do tráfico de drogas na localidade”. Ela também disse que não é possível falar no momento se houve relação do crime com intolerância religiosa.

Ela garantiu que a Polícia Civil está focada na investigação. “A vítima era uma pessoa querida na comunidade. Desempanhava papel importante naquela comunidade quilombola. Infelizmente foi brutalmente assassinada dentro de sua residência, uma senhora de 72 anos. Todos os esforços estão sendo feitos para dar uma resposta o quanto antes”. Mãe Bernadete foi morta com uma arma de calibre 9mm. Ela foi assassinada na presença de familiares. Correio da Bahia