Foto: Reprodução/Redes Sociais

A musa do pagode baiano Rosiane Pinheiro, de 49 anos, revelou ter sofrido violências em relacionamentos amorosos. Segundo a ex-dançarina da banda Gang do Samba, que marcou época nos anos 90, ela chegou a viver em “cárcere privado” e só visitava quem o ex-companheiro queria. Rosiane Pinheiro também relatou que não tinha acesso às contas bancárias sob o nome dela.

“Eu não podia visitar ninguém, só quem ele permitisse. Não podia nada, todos os meus cartões ficavam com ele. Nunca contei porque a gente tem medo de abrir a boca e falar. Tem coisas que nunca falei, porque acaba passando de ridícula”, revelou sem contar o nome do homem.

A eterna “Raimunda” do grupo de pagode Gang do Samba afirmou ainda que o ex-companheiro não a deixava publicar fotos nas redes sociais, quando usava biquíni. Entre 2012 e 2016, Rosiane Pinheiro trabalhou como repórter de uma emissora de televisão em Salvador. Segundo a ex-dançarina, durante o período, o então companheiro a levava até a empresa e esperava ela acabar de trabalhar no estacionamento, para levá-la de volta para casa.

“Tenho uma história inteira, mas nunca postava as coisas por causa do relacionamento abusivo que vivia. Não podia postar nada, era presa, prisioneira”, afirmou. Rosiane Pinheiro, que participou da seletiva para ser a “morena do Tchan”, mas perdeu para Scheila Carvalho, informou que chegou a acionar o ex-companheiro na Justiça, mas perdeu a causa por falta de apoio de testemunhas.

“Eu o botei na Justiça e ainda perdi, porque minhas testemunhas não foram por medo. Cheguei a pedir medida protetiva”. Solteira há pouco mais de dois anos, a ex-dançarina revelou que não acredita mais no “amor verdadeiro”. “Já quiseram me podar: ‘para de dar risada alto, se comporte, não coma muito’. Tentaram tomar tudo meu: casa, carro. Vivi vários relacionamentos abusivos, de tipos diferente, estou há muito tempo sozinha, não consigo acreditar no amor”, desabafou.

“Quando alguém fala o que já ouvi antes, penso: ‘No início todo mundo faz as mesmas coisas. Depois todo mundo deixa a máscara cair”, completou a baiana. No ano passado, a musa do pagode baiano recriou a capa da revista Playboy 25 anos depois da publicação. A imagem foi publicada nas redes sociais da artista para divulgar o lançamento de um perfil de compartilhamentos de fotos em uma plataforma de conteúdo adulto. G1