O deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL) publicou hoje (13), nas redes sociais, uma mensagem na qual afirma que não fez “nada de errado” no caso do ex-assessor citado em um relatório do Coaf por movimentações bancárias de R$ 1,2 milhão consideradas suspeitas. O nome de Fabrício José Carlos de Queiroz, ex-assessor do filho de Jair Bolsonaro, aparece no relatório que integrou a investigação da Operação Furna da Onça.

 

A operação é um desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro que prendeu dez deputados estaduais no início de dezembro. Flávio Bolsonaro negou em suas contas no Facebook e no Instragram que tenha cometido qualquer irregularidade. Queiroz trabalhou no gabinete dele na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) segundo informações do G1.

 

“Não fiz nada de errado, sou o maior interessado em que tudo se esclareça pra ontem, mas não posso me pronunciar sobre algo que não sei o que é, envolvendo meu ex-assessor””, escreveu nas redes sociais o o deputado estadual que foi eleito para o senado pelo Rio. Na internet, Flávio Bolsonaro também disse que está “angustiado”, querendo que tu se esclareça logo e “não paire mais nenhuma dúvida” sobre a idoneidade dele.

 

“Garanto a todos que não dei e nunca darei motivos para isso. Não vou decepcionar ninguém, confiem em mim. Se Deus quiser, tudo será esclarecido em breve”, declarou o filho do presidente eleito. O filho do presidente eleito afirmou ainda que manterá sua “coerência”, sem “passar a mão na cabeça de quem errou”.

 

De acordo com o senador eleito, Queiroz optou por não falar com a imprensa e dará explicações somente ao Ministério Público. “Isso é ruim pra mim, mas não tenho como obrigá-lo”, escreveu Flávio. Na semana passada, o senador eleito declarou que conversou com Queiroz, que lhe contou “uma história bastante plausível”, sem “ilegalidade”, nas movimentações financeiras.