foto alba

Escolhido pelo9 diretório municipal como pré-candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), o deputado estadual Robinson Almeida falou sobre a situação na base após a suposta retirada de candidatura do vice-governador da Bahia, Geraldo Júnior (MDB), a prefeito de Salvador. Em conversa com a imprensa, o petista disse que o nome segue firme no páreo e que nada muda em relação às movimentações para a pré-candidatura.

“Sempre seguiu, não há nenhum abalo nessa indicação. Meu nome foi indicado pela Executiva municipal e o diretorio municipal, foi referendado pela direção estadual e nacional com a presença da presidenta Gleisi. Teve também a manifestação do senador Jaques Wagner, em plenária, colocando como opção de candidatura da sua preferência e eu estou muito à vontade, muito tranquilo, torcendo para que essa tarefa seja dada a mim”, disse.

A movimentação do MDB foi encarada por alguns petistas como uma forma de pressionar o governador Jerônimo Rodrigues (PT) a “bater o martelo” sobre o nome que representará a esquerda. No entanto, durante agenda política, o governador rechaçou qualquer possibilidade de escolher um nome para a prefeitura de Salvador por pressão política.

“Eu não recebi nenhuma comunicação de nenhum partido. Eu não estava sabendo, e não tive nenhuma comunicação, para mim continua firme, todos os nomes postos, eu estou fazendo um desenho com muita tranquilidade. Não é qualquer decisão e estamos fazendo isso com responsabilidade, porque o nome escolhido será um nome amparado por todos os partidos. E para uma disputa séria, como um município importante como Salvador, não é qualquer tipo de palavra que vai pressionar a gente a tomar uma decisão. [Essa] é uma decisão firme, é uma decisão de ‘casamento'”, afirmou. Bocão News