Agência Brasil

Integrantes do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) dizem que, com a nova formação do colegiado, está escrito que Deltan Dallagnol, alvo de 16 representações, será, no mínimo, advertido quando seus casos voltarem a tramitar. O ministro Luiz Fux acatou pedido do procurador e travou a análise de um processo que estava pronto para ser julgado no CNMP.

O problema é que a decisão repercutiu mal entre colegas do STF e a expectativa é que ela não se sustente. A aposta, hoje, é de um placar de 8 a 3 contra Deltan no colegiado. Fux atendeu ao pedido do próprio procurador que moveu ação no STF na sexta pedindo a suspensão, argumentando que é alvo de afrontas à Constituição e à Convenção Americana de Direitos Humanos.

Trata-se da entrevista que ele concedeu à rádio CBN, em que ele acusa o tribunal de tomar decisões lenientes com a corrupção. Fux acolheu provisoriamente o pedido de Deltan, determinando que o caso fosse retirado de pauta até o STF julgar o pedido do procurador.

A previsão de integrantes do Conselho era de que Dallagnol poderia ser condenado por 8 votos a 3. Há outros dois processos em pauta envolvendo o coordenador da força-tarefa da Lava Jato no Paraná que poderão ser pautados.