Uma grande discussão sacudiu a sala do cafezinho, nas proximidades do plenário da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), nesta última quarta-feira (16). O deputado estadual Alan Sanches (União Brasil), líder da oposição, detonou a escolha feita pelo governo do estado para novo nome do antigo Hospital Espanhol e acabou sendo rebatido pelos colegas parlamentares Júnior Muniz (PT) e Robinson Almeida (PT).

O problema começou com o anúncio, por parte do governo de Jerônimo Rodrigues (PT), de que a unidade hospitalar localizada na orla da Barra, em Salvador, passará a se chamar “Hospital 2 de Julho” agora que foi adquirida pelo poder público estadual junto à iniciativa privada. De acordo com Sanches, o governo do estado “deu uma barrigada” ao escolher para o hospital um nome que já é utilizado por outra unidade médica de Salvador, no bairro de São Marcos.

“O Hospital 2 de Julho já existe há cerca de 20 anos. É um hospital que fica ali em São Marcos, era um anexo do Hospital São Rafael, depois foi para o IBDAH e é da propriedade do Dr. Vicente”, disse o líder da oposição. “Não entendo como o governo do estado não consegue fazer o dever de casa simples”, disparou Alan Sanches.

“Não pode! Esse nome é patenteado a um hospital que já existe. E não é um nome fantasia. O hospital, no seu contrato social — posso passar para vocês —, tem o nome patenteado”, complementou o oposicionista. Na sequência, Sanches foi rebatido pelo deputado estadual Júnior Muniz, dando início a um grande debate, de mais de oito minutos de duração, em plena sala do cafezinho da Assembleia Legislativa.

“O que eu quero, deputado, é que sua classe médica, a sua classe, que você tanto ama como médico, esteja lá para atender os nossos pacientes baianos, que vão chegar lá. Nós queremos, deputado, é resolver a regulação. Essa é a preocupação do nosso governador Jerônimo”, rebateu Júnior Muniz.

No meio da discussão entre Sanches e Muniz, Robinson Almeida, pré-candidato do PT à prefeitura de Salvador em 2024, entrou em cena e lembrou da alteração do nome do Aeroporto Internacional de Salvador, que homenageava a data da Independência do Brasil na Bahia e foi alterado para Luís Eduardo Magalhães, em homenagem ao filho do ex-governador Antônio Carlos Magalhães.

“Eu sou o deputado autor da indicação para batizar o [Hospital 2 de Julho, porque o seu grupo tirou o nome do aeroporto, o Aeroporto 2 de Julho, e você não se pronuncia hora nenhuma para refazer a história da Bahia. E está aqui defendendo um empresário, que abriu um equipamento particular e batizou de 2 de Julho”, criticou Robinson.

“O que o grupo dele fazia era batizar com o nome de ACM [Antônio Carlos Magalhães] todas as escolas, o nome do filho [Luís Eduardo] em todas as escolas. E o neto, que era o prefeito de Salvador, aliado dele, batizou o Centro de Convenções de Luís Eduardo Magalhães e ele não falou nada. Nós estamos homenageando os heróis da Bahia, a maior saga, a maior luta pela independência do nosso povo”, complementou Robinson. BNews