Foto: Célia Santos/Divulgação

A cantora Daniela Mercury foi surpreendida, nesta última terça-feira (21), com a notícia de que foi classificada entre as 10 melhores lives da quarentena, segundo avaliação crítica do jornalista Jon Pareles, do The New York Times. De acordo com O Globo, a baiana foi a única brasileira a compor a seleção, que contou com artistas como Erykah Badu e Norah Jones.

Em sua avaliação, Pareles definiu a “Live da Rainha” “em um repertório de quase três horas com canções para cima celebrando o Carnaval e sua terra natal, a Bahia”. Para ele, Daniela “é totalmente incansável”, destacando a energia da artista em suas apresentações.

“Uma superestrela brasileira que tocou para centenas de milhares de pessoas no réveillon de 2010 no Rio, gira e samba como se estivesse num palco muito maior, com sua banda mascarada por trás e o que parece um quintal e seus filhos aparecendo como foliões de Carnaval”, escreveu Pareles.

Reconhecendo que a live foi o “show mais difícil” da sua vida, por achar que “não conseguiria transmitir a alegria que carrega desde sempre”, Daniela reagiu a crítica como “uma sensação de reconhecimento imensa”: “Tive o privilégio hoje de sentir uma alegria rara nesse momento de pandemia e de saber que deu orgulho pro meu país diante de tudo que estamos vivendo. É, sem dúvida, um reconhecimento de toda a minha carreira”.

Para ela, estar entre as 10 melhores foi o “maior prêmio da carreira até hoje” e um “estímulo para que a sociedade continue tendo consciência de que a Covid é perigosa e que devemos continuar respeitando as orientações da OMS”.

“Depois de 25 turnês internacionais e mais de 500 apresentações fora do Brasil, essa notícia, para mim, significou definitivamente que sou uma artista do mundo, assim como a Axé Music”, completou.