EC Bahia

O cenário atual do Bahia não é nada bom. Depois de ter perdido para o Fortaleza por 3×0, na Fonte Nova, pela Copa do Nordeste, o tricolor voltou a ser goleado. Dessa vez, o time caiu para o Sport por 6×0, na Ilha do Retiro, na noite desta quarta-feira (22).

Após a partida, o técnico Renato Paiva tentou explicar o que aconteceu durante o jogo em Pernambuco, O treinador reconheceu que o time se perdeu e afirmou que a equipe quis manter um padrão de jogo de toque de bola em um gramado encharcado que não apresentava condição para o estilo.

“O jogo é fácil de explicar. Uma equipe se adaptou ao terreno pesado, a bola não rolava, e outra equipe que, apesar dos avisos, quis jogar como normalmente jogamos dentro de um terreno que é impossível jogar dessa forma. O nosso meio-campo trouxe a pressão para cima de nós, não conseguimos jogar um pouquinho mais largo, é verdade que não é aquilo que trabalhamos, mas os jogadores têm que perceber, e eles foram alertados, que as condições de jogo não estavam para jogar aquilo que é o nosso jogo”, iniciou Paiva.

“Desde o início o Sport se adaptou ao campo, jogou no nosso erro e aos 15 minutos, dentro dessa situação de querer fazer coisas que não se deve e não se treina, o que é normal, em um jovem, houve a expulsão. Houve uma segunda situação de erro no pênalti e depois daí a equipe se perdeu e não se tranquilizou. O adversário é uma equipe experiente e tomou conta do jogo. Antes da expulsão já demos indicativos de que não estávamos preparados para o tipo de jogo”, completou.

Apesar de lamentar o placar elástico, Renato Paiva afirmou que a comissão técnica do Bahia não se abala com o resultado e garante que o clube segue acreditando no processo e evolução da equipe. As cobranças entre os tricolores, no entanto, aumentaram. O Esquadrão corre grande risco de não avançar para a segunda fase da Copa do Nordeste. O time é hoje o lanterna do grupo B do torneio.

“Não posso dizer que algo está certo quando perdemos por 6×0. A expulsão não justifica o placar elástico. É claro que temos problemas defensivos. Começamos bem a temporada, com jogadores mais experientes e nesse momento estamos jogando com os jogadores que nos oferecem garantias para jogar de três em três dias. Hoje atuamos com dois laterais mais rápido pois sabíamos que as disputas aconteceriam. Isso se aprende com o tempo. É um placar doloroso, o Bahia não deve sofrer esses resultados. Temos que continuar trabalhando para buscar as soluções”, afirmou.

O próximo compromisso do Bahia na Copa do Nordeste será o clássico contra o Vitória, na Fonte Nova, no dia 5 de março. Antes disso, o tricolor deve usar uma equipe alternativa no confronto com o Itabuna, no domingo (26), pelo Campeonato Baiano. No dia 1º de março o adversário será o Jacuipense, em Pituaçu, pela Copa do Brasil. Correio da Bahia