EC Vitória

O Vitória ficou no empate em 0 a 0 com o Botafogo, na noite desta quarta-feira, e completou cinco jogos sem vencer no Campeonato Brasileiro da Série B. Com o resultado, o Rubro-Negro chega a 12 jogos na zona de rebaixamento e vê a distância para o primeiro clube fora da degola aumentar para três pontos.

Assim como tem feito nos últimos jogos, Wagner Lopes rodou o elenco. Ao todo, foram cinco novidades em relação ao time titular do último jogo: Raul Prata, João Pedro, Renan Luís, Bruno Oliveira e Manoel. O treinador, porém, lamentou que alguns atletas não aproveitaram a oportunidade.

– Acho que Renan vinha jogando, está com ritmo; Roberto também. Só que o time deles tem uma circulação de bola muito rápida, com muita qualidade. A gente não estava conseguindo encaixar a marcação, porque a gente estava muito para trás. Na hora em que fazia o balanço das linhas, a gente demorava para fechar as diagonais e não conseguia atacar a bola quando ela vinha para o território do Jonathan, quando saía do Kanu para o Jonathan. No intervalo, a gente arrumou isso, adiantando um pouco mais e trocando como primeiro volante. Reposicionamos o Rend, adiantamos um pouco o João Pedro, que balançava mais rápido e deixava o Roberto sair. Aí encaixava melhor, não deixava eles jogarem usando a beirada. Óbvio que a gente, com a expulsão do Samuel, ficou muito ruim. Acho que o árbitro errou em muitos lances, inclusive na expulsão dele.

“É duro, porque você está dando oportunidade, e os jogadores não estão aproveitando. Na hora do nervoso, tem que acalmar, rever os lances, para não tomar decisões precipitadas”, completa. Há pouco mais de 40 dias no Vitória, Wagner Lopes fez uma análise de seu trabalho. O treinador reconheceu a série de problemas na equipe.

– É muito difícil falar do seu trabalho. Mas tenho uma autoavaliação muito rígida. Então, todos os dias, eu faço uma reflexão, se eu estou fazendo o melhor que eu posso. Dentro das condições de trabalho que temos, tenho buscado fazer o melhor com o que tenho. Então hoje quero ser melhor do que fui ontem. Mas amanhã quero ser melhor do que sou hoje. Todos os dias eu me desafio, busco as melhores soluções para ajudar o Vitória. Claro que as nossas dificuldades são muito maiores do que qualquer pessoa de fora imagina. Não vou aqui expor o que é problema interno.

-“Mas temos dificuldades técnicas, emocionais, táticas… E a gente está tentando, no dia a dia, solucionar esses problemas para que o jogador tenha tranquilidade e não perca as oportunidades que a gente está criando. É trabalhar, ter um mental forte. Isso eu tenho muito. E acredito muito no nosso trabalho”. O Vitória volta a campo no próximo sábado, quando enfrenta o Goiás, no estádio da Serrinha, às 16h. (Globoesporte)