O pai da baiana Emmily Rodrigues, que morreu após cair do sexto andar de um prédio na Argentina, desmentiu a informação de que a família recebeu uma carta escrita pelo suspeito da morte da jovem, o empresário Francisco Sáenz Valiente. “Vi a informação sobre essa carta pela Internet, a família nunca recebeu carta nenhuma. Isso só nos traz ainda mais sofrimento”, afirmou Aristides Rodrigues.

No material que está sendo divulgado por sites argentinos, o suspeito diz que a morte de Emmily foi acidental e que tentou salvá-la. Segundo Aristides, a ação tem como objetivo criar uma boa imagem do suspeito, que está preso por suspeita de feminicídio desde 30 de março – dia em que a vítima foi encontrada morta no térreo do prédio onde o empresário vive, em Buenos Aires.

Sites argentinos também afirmam que a autópsia da jovem concluiu que ela consumiu uma droga conhecida como “cocaína rosa” no dia da queda. O g1 entrou em contato com o advogado da família de Emmily, Ignacio Trimarco, que negou a informação. Segundo ele, os resultados dos exames toxicológicos e de alguns órgãos ainda não foram concluídos.

Em depoimento à polícia, o empresário disse que Emmily teve um surto psicótico e se jogou da janela. Na ocasião, ele ligou para o serviço de emergência da Argentina, deu o seu endereço e pediu que um policial fosse até o apartamento. Na ligação, é possível ouvir gritos de socorro de Emmily.

O pai da jovem não acredita na versão de suicídio defendida pelo suspeito, assim como as amigas que conviveram com ela na Argentina. Segundo o pai, no corpo da filha foram encontradas marcas de agressões que precedem a queda. G1