Reprodução

Preocupados com a dificuldade de um entendimento entre ele e o ex-prefeito ACM Neto (DEM) para 2022 na Bahia, aliados do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) passaram a pensar num cenário mais ousado para eventualmente dar sustentação à sua candidatura à reeleição no Estado.

Uma das ideias sobre as quais se debruçaram recentemente implicaria uma aproximação, por Brasília, com o vice-governador da Bahia, João Leão (PP), para a qual pode contribuir um entendimento entre o presidente nacional da legenda, o senador Ciro Nogueira (PI), e sua contraparte no Republicanos, o deputado Marcos Palmeira (SP).

Eles se encarregariam de criar as condições para montar uma chapa ao governo da Bahia no ano que vem da qual Leão assumiria a cabeça, tendo como vice a secretária municipal de Saúde em Porto Seguro, Raíssa Soares, e um candidato ao Senado ainda não definido que poderia ser indicado pelo Republicanos.

No Estado, a composição seria, naturalmente, regida pelo ministro da Cidadania, João Roma, cujo esgarçamento da relação com Neto parece a cada dia mais profundo, apontando para um quadro que aliados de ambos consideram de provável irreversibilidade.

A cereja do bolo é que a articulação não exigiria um afastamento de Leão do PT baiano, cujo plano é lançar o senador Jaques Wagner candidato a governador. Mas poderia ser executada com pleno entendimento entre ambos.

Ou seja, Leão sairá candidato em jogo combinado com o próprio Wagner com o único objetivo de enfraquecer Neto, cujo eleitorado os cabeças da ideia imaginam que disputaria, permitindo, a depender do grau do acerto, que Rui Costa renunciasse ao governo para disputar o Senado.

Para o plano, a dia de hoje considerado pelos próprios mentores da ideia um tanto quanto mirabolante mas não impossível, eles chamariam, inclusive, o PSL e o MDB, partidos que fecharam recentemente uma aliança com o objetivo de se posicionar melhor frente ao grupo do ex-prefeito e o governo.

A discussão que se desenvolve em Brasília e na Bahia sobre o projeto não leva em conta outros nomes, bolsonaristas entre eles, que vêm tentando se colocar na disputa para representar o presidente da República em 2022, mas cujos planos são considerados por demais pueris. (Política Livre)