Foto: Marcelo Brandt/G1

A movimentação do ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos), para intensificar a agenda de Jair Bolsonaro na Bahia é vista como uma tentativa vã de aumentar a popularidade do presidente, na avaliação do ex-ministro da Educação e ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT). O petista foi o entrevistado na quarta-feira (23) no programa Bahia Notícias no Ar, da rário Salvador FM 92,3.

Roma é deputado federal pela Bahia licenciado e desde que assumiu a chefia da pasta da Cidadania tem se esforçado para intensificar a presença e o palco para o presidente no estado. Na visão do ex-prefeito de São Paulo, mesmo com essa estratégia, a história e ligação de Lula com o Nordeste e com a Bahia falarão mais alto em 2022.

Fernando Haddad ressaltou que nas eleições de 2018, em que disputou a presidência da República contra Jair Bolsonaro, obteve 70% dos votos no Nordeste e vê como uma possibilidade ínfima que o bolsonarismo vire o jogo e que Lula tenha menos votos do que ele.

Desde que o STF anulou as condenações do ex-presidente e ele se tornou novamente elegível, o nome de Lula vem sendo apontado como o grande opositor à reeleição do presidente Jair Bolsonaro. O petista admitiu, em uma entrevista recente a um veículo francês, que será candidato à presidência do Brasil em 2022. (BN)