Foto: Pedro Gontijo/Senado Federal

Integrantes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), sediada no estado de São Paulo, fizeram pesquisas sobre os endereços em Brasília (DF) dos presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). A informação foi publicada em relatórios de inteligência do Ministério Público de São Paulo (MP-SP) e da Polícia Federal (PF).

De acordo com matéria publicada na quinta-feira (7) pelo jornal Folha de S.Paulo, o PCC enviou um grupo de integrantes da facção para Brasília. No celular apreendido com um dos alvos da investigação, os analistas da PF encontraram fotos aéreas das residências oficiais de Lira e Pacheco. Investigadores não disseram qual seria a missão a ser executada. O MP-SP informou que as imagens foram capturadas na internet no dia 29 de novembro de 2022.

As investigações apontaram que um grupo seleto de integrantes do PCC teria surgido em 2014, após a facção estabelecer uma aliança com a guerrilha paraguaia denominada EPP (Exército do Povo Paraguaio). Integrantes da facção brasileira estariam revoltados com a proibição de visitas íntimas nos presídios federais, onde estão detidos a maioria de suas lideranças.

“Um dos pontos estabelecidos nessa aliança estava o treinamento de integrantes do PCC pelo grupo guerrilheiro paraguaio, na qual incluía-se a prática de tiro, conhecimento e emprego de explosivos, táticas e posturas adequadas para a guerra, objetivando qualificar alguns de seus homens para integrar grupos de elite, que seriam empregados em missões específicas, pontuais e que necessitavam de resposta de morte”, disse o MP. Brasil247