Flickr MPI

Um dos homens presos em flagrante por suspeita de matar a tiros uma indígena da etnia pataxó e pela tentativa de homicídio contra um cacique no domingo (21), é um policial militar reformado. O crime aconteceu na Terra Indígena Caramuru-Catarina Paraguassu, na zona rural do município de Potiraguá, no sul do estado.

Por conta da violência na região, comunidades tradicionais pediram reforço de segurança à Força Nacional. Até o início da tarde desta terça, ainda não receberam resposta. Nesta terça-feira (23), ele está preso no Batalhão da Polícia Militar de Itabuna, município que também que fica no sul da Bahia. O outro suspeito é um fazendeiro, que segue preso no Conjunto Penal de Vitória da Conquista, no sudoeste do estado.

A indígena que morreu foi identificada como Maria Fátima Muniz de Andrade e o cacique baleado como Nailton Muniz Pataxó. Ele foi atingido no rim e passou por cirurgia no Hospital Cristo Redentor, em Itapetinga, cidade a cerca de 69 km de Itapetinga. Depois do procedimento, o cacique foi transferido para um outro hospital. O nome da unidade de saúde não foi divulgado por questão de segurança. Outros indígenas ficaram feridos na ação, entre eles uma mulher que teve o braço quebrado. Eles foram hospitalizados, mas não correm risco de morte. G1