Raphael Ribeiro/BCB

A Defensoria Pública do Distrito Federal notificou o Banco Central do Brasil e a Casa da Moeda para que façam alterações na nova nota de R$200. De acordo com o órgão, a cédula não possui características que garantem a acessibilidade de pessoas cegas ou com deficiência visual, que é prevista, inclusive, na Constituição Federal. “Essas notas violam o direito fundamental à informação acessível. Não houve diferenciação entre o tamanho dessas cédulas [R$ 200] e as de R$ 20. É um retrocesso na garantia de direitos constitucionais das pessoas com deficiência, especialmente as pessoas cegas”, afirma a nota. “O Banco Central pode, inclusive, ouvir as pessoas que tenham essas deficiências para saber qual seria o recurso mais adequado”, cita a Defensoria. As notas, de fato, de R$20 e R$200 possuem o mesmo tamanho. A DPDF cita que para diferenciá-las é possível criar recursos, como exemplo de leitores digitais, marcas d’água e escrita em braile. Também há a sugestão do aumento do tamanho da célula de maior valor.