Os pepistas baianos estão respirando mais aliviados após o anúncio do próprio presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de que tem “99%” fechado para se filiar ao PL, e não ao PP. Na Bahia, a sigla ocupa a vice do governador Rui Costa (PT). “Ficamos mais tranquilos. Apesar de ainda não ter tido um anúncio oficial”, disse ao BNews hoje (9) Jabes Ribeiro, secretário-geral do PP na Bahia.

Bolsonaro disse ontem (8) que está “99% fechado” para se filiar ao PL, partido de Valdemar Costa Neto. A declaração foi dada à CNN Brasil. O presidente disse ainda que a “chance de dar errado [a negociação] é zero”.

Porém, Ribeiro diz que a executiva nacional do PP já havia dado autonomia para a sigla decidir suas articulações políticas. Segundo o secretário-geral, mesmo com a filiação do presidente da República, o partido continuaria na base do PT.

Bolsonaro pode não se filiar ao PP, mas o partido é um aliado relevante do governo federal. O líder nacional da sigla, Ciro Nogueira (PI), é ministro da Casa Civil, enquanto o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), também apoia o presidente.

Aliança com PT em risco

No mês passado, o governador Rui Costa chegou a dizer que seria complicado manter a aliança com o PP, caso Bolsonaro se filiasse à sigla. “Eu vou conversar ainda, vou viajar, mas vou conversar com o PP. Se isso isso se materializar a situação fica muito complicada numa aliança da chapa com o PP. Não é fácil. Precisamos discutir. Espero que não se materialize.”

Para Rui, inviabilizaria até eleição de diversos deputados no PP. “Uma tragédia esse presidente ser rejeitado por 70% do Nordeste e mais de 80% dos baianos e não acredito que os parlamentares do PP vão ficar do lado dele. Fica complicado para eleger até quem tá dentro da sigla. Vão ter situação difícil, pois o voto do Bolsonaro não se enquadra no perfil do PP”, analisou. (Bocão News)