Renan - Reprodução

Uma ação judicial com pedido de indenização pode levar o presidente da Câmara de Cruz das Almas, Renan da Silva Gonçalves, a uma condenação no montante de 40 salários mínimos. A soma desse valor equivale a R$ 41.800,00. A ação foi movida pelo ex-vereador e ex-secretário de Saúde do Município, André Luiz Eloy Costa. O processo tramita sob o nº 8001220-93.2019.8.05.0072, na Vara Cível de Cruz das Almas. Em seu último despacho, o juiz Lucas de Andrade Cerqueira Monteiro, determinou o agendamento de uma audiência, além de citar o réu Renan Gonçalves da ação judicial movida contra ele. A audiência ainda não tem data definida.

INJÚRIA E DIFAMAÇÃO

O ex-vereador e ex-secretário de Saúde André Eloy afirma na ação que foi surpreendido com a circulação de áudios ofensivos, acompanhado de vídeos, produzidos por Renan, acusado ele de marginal e usuário de drogas. As mensagens foram enviadas para um grupo de WhatsApp da Câmara de Vereadores de Cruz das Almas. Renan Gonçalves, segundo a ação judicial, se dirige ao também vereador Elias Silva Nascimento (Elias de Gogó). Renan Gonçalves, conforme a ação, também teria citado o tenente da Polícia Militar, Nailson, em um outro áudio no mesmo grupo de WhatsApp. Mas ele foi desmentido pelo oficial da PM.

André Eloy – Reprodução/Redes Sociais

DESVIO DE RECURSO

Em outro trecho da ação, André Eloy também diz ser acusado por Renan Gonçalves de desvio de recursos na Secretaria Municipal de Saúde. O presidente da Câmara atribuiu a ele o “desaparecimento” de R$ 465 mil na época que ele respondia pela secretaria. A defesa de André Eloy afirmou na ação que a empresa Fabmed, credora da Prefeitura, teria emitido uma declaração de quitação de débitos, referente ao período em que esteve à frente da Secretaria de Saúde.

Entre os motivos apresentados por André Eloy para tanta ofensa estaria um projeto pessoal de Renan Gonçalves de ser candidato a prefeito de Cruz das Almas nas eleições deste ano. André Eloy e Renan Gonçalves devem ficar cara a cara durante audiência de conciliação que ainda não foi definida pela Justiça.