TV Globo

O Pastor Everaldo Pereira, presidente nacional do PSC, e seus dois, Filipe Pereira e Laércio Pereira, foram presos na manhã desta sexta-feira (28) na Operação Tris in Idem, que também determinou o afastamento do cargo do governador Wilson Witzel (PSC-RJ).

Policiais federais e uma procuradora chegaram por volta de 6h da manhã ao apartamento do pastor, no bairro do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio. Em um carro da PF, o pastor saiu de lá por volta das 7h45. Às 8h25, ele chegou na sede da Polícia Federal no Rio, na Praça Mauá.

Filipe e Laércio compunham com o pai um dos núcleos de corrupção do governo Witzel, segundo o Ministério Público Federal. Com a ajuda de Victor Hugo do Amaral Barroso, operador financeiro, e Edson Torres, operador administrativo, o grupo tinha fortes influências na Cedae, no Detran e na Secretaria de Saúde.

Além de receberem vantagens indevidas, os integrantes do grupo teriam tentado também obstruir as investigações, “tendo realizado a tentativa de “alinhar discurso” com Edmar Santos, que fez um acordo de delação premiada com a Justiça Federal.

Filipe Pereira, segundo o MPF, foi nomeado assessor especial do governador Wilson Witzel, e atuou junto com o pai e o irmão lavando dinheiro através da empresa EDP Corretora de Seguros, que tem Everaldo e os filhos como sócios.

Citado em delação

Pastor Everaldo foi citado na delação premiada do ex-secretário de saúde, Edmar Santos, por conta da influência dele no Palácio Guanabara. O ex-secretário foi preso por corrupção. Segundo a delação, era o pastor Everaldo quem mandava na saúde.

Segundo acordo homologado pelo ministro Benedito Gonçalves, as declarações prestadas por Edmar “indicam que um dia antes da deflagração da Operação Placebo o Governador repassou R$ 15 mil em espécie ao Pastor Everaldo, o qual mostrou a quantia a Edmar, com receio, em tese, de que a Polícia Federal encontrasse os valores na realização das buscas.”

“Trata-se de provável tentativa de esconder valores supostamente ilícitos, angariados em espécie (prática usual utilizada por grupos criminosos para evitar o rastreamento do dinheiro).”

De acordo com documento que acompanha as diligências autorizadas pelo ministro, Everaldo seria líder de um dos grupos que compõem uma “sofisticada organização criminosa” que tem “o objetivo comum de desviar recursos públicos e realizar a lavagem de capitais, dentre outros crimes”.

Segundo documento, Everaldo comanda o segundo braço da organização “como se proprietário fosse, alguns setores da Administração Pública do Estado do Rio de Janeiro, principalmente sobre as contratações e orçamentos da Cedae, Detran e da pasta da saúde do Estado do Rio de Janeiro”.

Também integram o grupo do pastor Hugo Amaral Cavalcante Barroso, operador financeiro, responsável por “efetuar contatos com agentes públicos e empresários, indica as empresas e organizações sociais que devem ser contratadas pela secretaria de Saúde do Rio de Janeiro”; e Edson Torres, que segundo Edmar Santos, é o dono de fato de empresas contratadas pelo Estado e foi o responsável por indica-lo ao cargo de Secretário de Estado da Saúde do Rio de Janeiro para que pudesse exercer influência sobre a pasta.

Laércio e Filipe Pereira, filhos do pastor Everaldo, também integram o grupo. Os dois foram presos. Um relatório de inteligência financeira revelou que o pastor Everaldo realizou a compra de um imóvel no valor de R$ 2.050.000,00, usando valor em espécie para pagar parte do imóvel adquirido. Além disso, detectou que a empresa EDP Corretora de Seguros, que tem o pastor e seus filhos como sócios, “realizou dezenas de depósitos em espécie, em valor fracionado, de modo a dissimular o total da movimentação, em atividade típica de lavagem de capitais”. G1