O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, nomeou a professora doutora Georgina Gonçalves dos Santos reitora da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) para o quadriênio 2023-2027. Professora Gina, como é conhecida, foi escolhida como primeira na lista tríplice do Conselho Universitário (CONSUNI) da UFRB, em reunião ocorrida em 18 maio de 2023.

O decreto de nomeação foi publicado nesta quarta-feira (2), no Diário Oficial da União (DOU). O Ministério da Educação (MEC) ainda não divulgou a data da cerimônia de posse em Brasília (DF). Gina Gonçalves é a primeira mulher a assumir a Reitoria da UFRB e substitui o professor Fábio Josué, que comandou a instituição no quadriênio 2019-2023. Fábio ocupará a função de vice-reitor neste mandato.

Perfil

Georgina Gonçalves é graduada em Serviço Social pela Universidade Católica do Salvador (1992), mestre em Educação pela Universidade Federal da Bahia (2001) e doutora em Sciences de l’Éducation – Université de Paris VIII (2006). Professora Associada da UFRB desde 2009, dirigiu o Centro de Artes, Humanidades e Letras (CAHL), entre 2011 e 2015, foi vice-reitora da UFRB de 2015 a 2019 e reitoria eleita da UFRB em 2019, mas não empossada pelo governo anterior.

É consultora da Fundação de Amparo à Pesquisa ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Estado do Maranhão e membro da Rede Internacional de Pesquisa sobre Avaliação pelo Estudante – Réseau International de Recherche sur l’Évaluation de l’Enseignement par les Étudiants. Professora do Programa de Pós-Graduação de Estudos Interdisciplinares sobre Universidade, EISU da UFBA e do Programa de Pós-Graduação de Políticas Sociais e Território da UFRB. Tem experiência na área de Serviço Social, com ênfase em Serviço Social, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino superior, ações afirmativas, serviço social, políticas sociais e vida universitária.

Reitora eleita e não empossada em 2019

Primeiro nome da lista tríplice para assumir a Reitoria da UFRB em 2019, a professora Georgina Gonçalves dos Santos não foi nomeada pelo governo anterior. Foi a primeira vez na história da Instituição que uma reitora escolhida por sua comunidade acadêmica não foi empossada. Na ocasião, ainda abalada pela não nomeação, Gina enfatizou o perigoso precedente para a democracia.

“De posse dessa notícia que abre um perigoso precedente na vida democrática, não apenas das universidades públicas, mas das instituições de modo geral, e que fere de morte nossa autonomia construída com muito esforço, ao longo da curta história do ensino superior brasileiro, é que me dirijo aos diferentes segmentos de nossa sociedade, para agradecer a confiança depositada em mim, para dar continuidade ao projeto acadêmico, pedagógico, científico, cultural e político da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia”, afirmou.

“Entretanto, pela gravidade da decisão adotada pelo MEC não podemos minimizar o que ocorreu. A pergunta é: por que não foi respeitado o desejo da comunidade da UFRB? Por que o governo brasileiro interferiu na normalidade institucional nomeando o terceiro indicado? Não podemos ser ligeiros ou precipitados nessa análise mas sim, investirmos todo nosso esforço de compreensão para entender o que aconteceu. Racismo? Homofobia? Misoginia? Nenhuma ingenuidade nos será perdoada”, completou a professora na ocasião.