Foto: Luis Macedo / Câmara dos Deputados

Após o deputado federal Coronel Tadeu (PSL) quebrar a placa de uma exposição que celebrava o Dia Nacional da Consciência Negra, o Partido dos Trabalhadores entrou com uma representação contra o parlamentar no Conselho de Ética da Câmara.

No pedido, registrado na quarta-feira (20), a legenda afirma que a atitude do deputado se trata de um “ato de extrema gravidade”, que reforça as estatísticas de uma “cultura racista e de violência diária contra a população negra”. Com base nesse entendimento, o PT acusa Tadeu de racismo.

O episódio em questão foi registrado na noite de terça (19), quando o deputado decidiu partir ao meio uma placa que mostrava uma charge com um jovem negro sendo morto por um policial militar. A imagem também estampava a frase “os negros são as principais vítimas da ação letal das polícias e o perfil predominante da população prisional do Brasil”.

Não é mentira. Dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública de 2019 mostram que 75,4% dos mortos em intervenções policiais são negros. Mas isso parece ter ofendido a chamada “bancada da bala”, da qual Tadeu faz parte.

De acordo com a Folha de S. Paulo, os parlamentares bancada fizeram reclamações ao longo do dia. Diante da repercussão de sua atitude, que gerou confusão na Câmara, Tadeu tentou minimizar as críticas, dizendo que os negros são mortos por policiais por serem maioria no tráfico de drogas