Crédito: Haeckel Dias / PC

Cerca de 300 kg de drogas foram apreendidos em uma ação que culminou na desarticulação de um laboratório em uma casa de veraneio na Praia de Ipitanga e em um apartamento de um condomínio de luxo no centro de Lauro de Freitas, na última terça-feira (21). Dois suspeitos foram presos durante a operação dos agentes Departamento Especializado de Investigações Criminais (DEIC), da Polícia Civil.

Na casa de veraneio, foram apreendidos pacotes contendo maconha, tambores com porções de um pó branco semelhante à cocaína, cerca de mil munições de fuzil e de outros calibres, uma quantia de R$ 3 mil em dinheiro, duas balanças de precisão, maquinário e insumos para produção de refino de entorpecentes. O laboratório era utilizado no refino das drogas, que devereriam ser vendidas em forma de atacado, conforme pontuou o delegado Thomas Galdino, diretor do DEIC.

“Os envolvidos praticam o tráfico na modalidade de atacado, uma modalidade que diz respeito a venda alta de entorpecentes. É um tipo de droga mais refinada, mais cara, que provavelmente é utilizada por pessoas com um poder aquisitivo maior”, afirmou Galdino.

Além do material encontrado na casa de veraneio, os agentes apreenderam dezenas de tabletes de maconha e réplicas de fuzil e pista em um apartamento de um condomínio de luxo no centro de Lauro de Freitas. A ação resultou na prisão de dois suspeitos, que são investigados por tráfico de drogas e roubo de veículos, além da apreensão de um carro que tinha sinais identificadores adulterados, com suspeita de restrição de roubo.

A ação na Praia de Ipitanga e no centro de Lauro de Freitas pode ser relação com a desarticulação de um laboratório em um quarto do Hotel Astron. No entanto, o diretor do Deic, o delegado Thomas Galdino, afirma que as investigações continuam, para que a relação seja comprovada de fato. “As investigações continuam no intuito de esclarecer essa relação, mas há um indicativo que seja o mesmo grupo criminoso”, diz.

A Polícia Civil ainda não sabe informar qual é a origem do material apreendido. No entanto, sabe que as drogas seriam comercializadas em Salvador e na Região Metropolitana da capital baiana. A dinâmica utilizada na casa de veraneio e no apartamento de luxo ainda é desconhecida pela políca. Os imóveis eram alugados, mas os proprietários ainda não foram identificados.

Prisões

Duas pessoas foram presas em uma ação que desarticulou um laboratório de entorpecentes na casa de veraneio. A operação é continuidade da ação que desarticulou um laboratório de entorpecentes no Hotel Astron, na Avenida Tancredo Neves, no dia 19 de outubro. A Polícia Civil investiga se os dois laboratórios possuem, de fato, uma relação.

Agentes do Departamento Especializado de Investigações Criminais (Deic), da Polícia Civil, chegaram até o local após localizarem um suspeito de envolvimento no caso do Hotel Astron. Ele não havia sido preso na primeira ação do mês passado porque não estava presente no momento em que a polícia chegou ao local.

O suspeito foi localizado com um veículo com suspeita de restrição de roubo, após monitoramento das equipes do DEIC. O outro homem foi preso na casa de veraneio, onde o laboratório de entorpecentes funcionava. Os dois são investigados por envolvimento com tráfico de drogas e roubo de veículos.

“Estamos apurando a relação deste laboratório, dos materiais apreendidos, bem como dos dois presos com o grupo criminoso responsável pelo material apreendido há um mês. Um dos localizados hoje havia escapado desta ação anterior”, disse o delegado Thomas Galdino.

Nos últimos 30 dias, a Polícia Civil apreendeu cerca de 2,5 toneladas de drogas, desarticulou dois laboratórios e três depósitos. Todas as apreensões possuem relação com a dupla presa na terça-feira (21).

Laboratório de drogas em hotel de Salvador usava empresas de entrega para envios nacionais

Cerca de uma tonelada de drogas foi apreendida pela polícia em ações simultâneas em Salvador e em Jauá, Camaçari. Em uma das ações, a polícia desarticulou um laboratório de drogas que funcionava dentro do quarto de um hotel, localizado na Avenida Tancredo Neves, em Salvador.

As ações aconteceram no último dia 19 de novembro. Segundo a Polícia Civil, no hotel foram apreendidas porções de maconha, haxixe, pó branco e pasta base semelhantes à cocaína, drogas sintéticas, carregadores de pistola, munições calibres .40, .380 e 9 mm, além de maquinário para a produção, embalagens para o acondicionamento das drogas e três cobras. Em Jauá, a ação policial aconteceu em um condomínio de alto padrão.

Três pessoas foram presas nas ações. Além do material, dois veículos foram apreendidos – entre eles, um Kia Picanto roubado no Acupe de Brotas, em julho deste ano. Todo o material pertencia a uma organização criminosa com forte atuação em Salvador e RMS.

Além de vender e entregar drogas em bairros nobres de Salvador, o grupo criminoso que atuava em um ‘laboratório de entorpecentes’ no Hotel Astron usava o serviço de empresas de entregas nacionais para enviar o material ilícito para todo o Brasil.

Galdino explica que os bandidos se valiam da ausência de fiscalização dos pacotes para ampliar a área de venda para todo o país. “O entorpecente era vendido em atacado. Eles usavam um veículo para entrega de drogas. Às vezes, eles próprios entregavam, mas também se utilizavam de empresas para efetuar a distribuição das drogas em bairros nobres de Salvador. […] Não só em Salvador, mas também para outros pontos do país”, diz. Correio da Bahia