Paula Forés/CORREIO

Um jogo que há algum tempo o torcedor do Bahia estava sonhando. Triunfo tranquilo, sem sofrer gols e dominando a partida. Foi assim que o tricolor iniciou a caminhada do segundo turno da Série A ao golear o Bragantino por 4×0 na tarde deste domingo (20) na Arena Fonte Nova. A equipe de Renato Paiva construiu o placar desde o começo do primeiro tempo, abriu a vantagem ainda antes do intervalo e fechou os números do jogo na segunda etapa. Rezende, Victor Hugo, Vinícius Mingotti e Cauly marcaram os gols do confronto.

A vitória coloca o Bahia com 21 pontos na tabela e mantém o time fora da zona do rebaixamento, empatado em pontos com o Santos. O adversário da frente segue sendo o Goiás, que é o 15ª colocado e tem 22 pontos, mas tem um jogo a menos. O Esmeraldino enfrenta o Athletico-PR na noite desta segunda-feira (21) dentro de casa.

O jogo na Fonte Nova marcou o melhor placar do Bahia desde o começo da Série A. Após vencer Coritiba e América-MG por 3×1 – também na Fonte -, o Esquadrão saiu sem sofrer gols e muito aplaudido das arquibancadas após o apito final.

Renato Paiva levou a campo uma equipe com uma mudança em relação ao último jogo contra o Atlético-MG. Everaldo foi para o banco e deu lugar a Mingotti no onze inicial. E apesar de não ter grandes mudanças no papel, o comportamento da equipe se mostrou diferente dentro de campo, com uma defesa mais segura e a equipe aproveitando as oportunidades criadas, principalmente nos contra-ataques.

Agora, o tricolor busca se manter firme no returno do Brasileirão e tem a difícil missão de enfrentar o líder Botafogo no Rio de Janeiro no próximo domingo (27). Ainda há possibilidade do treinador contar com o reforço do atacante Biel, que está em fase final de recuperação de lesão.

Bahia dominante

O domínio do Bahia na partida deste domingo começou desde o apito inicial. O primeiro gol tricolor saiu antes dos dez minutos após cobrança de escanteio de Cauly, que colocou a bola na segunda trave e viu Victor Hugo escorar pro centro da área. A zaga afastou e a redonda caiu nos pés de Rezende, que mesmo chutando com pouca força conseguiu colocar no cantinho sem chances para Cleiton.

A partir da vantagem construída muito cedo, o time de Renato Paiva soube lidar muito bem com as respostas do Bragantino. A equipe paulista saiu para o jogo em busca do empate e deu espaço pelos lados de campo para que o tricolor encaixasse nos contra-ataques. Durante a primeira etapa Cauly acionou bem os homens da frente da equipe, como Mingotti, que tentou cruzar e foi travado, e Thaciano, que recebeu um lindo passe de três dedos mas pegou muito em baixo da bola e isolou a finalização de cara para o gol.

Na defesa, não sofreu nenhum grande susto e as principais chances do Bragantino saíram de falhas na saída de bola do tricolor. O goleiro Marcos Felipe tocou errado e por pouco Thiago Borbas não empatou. O goleiro fez boa defesa. A outra chance do adversário saiu em cobrança de falta de Sorriso, mas Marcos Felipe fez bela ponte e mandou para escanteio.

Com o jogo defensivo equilibrado, o Bahia aumentou a vantagem mais uma vez na bola parada. Cauly bateu novamente o escanteio e o zagueiro Victor Hugo subiu sozinho para cabecear como manda o figurino: testada forte para o chão e no canto de Cleiton. 2×0 no placar e festa na Fonte Nova.

E o gol tem um simbolismo muito maior: o primeiro gol de Victor Hugo sai no jogo em que o zagueiro leva o nome da mãe nas costas. Os atletas do Bahia entraram em campo carregando o nome de suas mães em homenagem ao dia da gestante. Um dos motivos do acerto do zagueiro com o Bahia foi justamente poder ter a oportunidade de ficar com sua mãe, Márcia, que lutava contra um câncer. Dias depois de desembarcar em Salvador, o jogador perdeu a mãe para a doença.

Vantagem mantida

A segunda etapa seguiu no ritmo ditado no primeiro tempo. O Bragantino seguiu atrás do placar e buscou o gol para diminuir a diferença. Os espaços pelo lado de campo seguiram aparecendo e os dois últimos gols saíram de forma parecida. Arrancada pela lateral direita e cruzamento rasteiro dentro da área.

Aos 14 minutos Ademir puxou contra-ataque pelo lado direito e deixou Luan Cândido para trás. Na linha de fundo, cruzou rasteiro para o centro da área e encontrou Vinícius Mingotti sozinho. O centroavante só teve o trabalho de tocar no canto do e balançar as redes da Fonte Nova. 3×0. Antes do quarto, Thaciano teve mais uma chance no jogo e recebeu a bola na entrada da área. O meia avançou e finalizou muito forte na trave de Cleiton.

A defesa seguiu se portando bem e não deu espaços para as jogadas ofensivas do Massa Bruta. A chance mais perigosa saiu com Matheus Fernandes, que recebeu uma sobra de bola sozinho na grande área, mas chutou muito forte e ela foi por cima.

O gol que fechou o placar saiu de uma jogada bem parecida com a anterior. O lateral Gilberto roubou a bola no meio, tabelou com Everaldo, chegou na linha de fundo e o cruzamento rasteiro passou por dois marcadores e encontrou Cauly sozinho. O camisa 8 posicionou bem o corpo e bateu de primeira no canto do gol. 4×0 e goleada tricolor na Fonte Nova.

Renato Paiva promoveu as entradas de Vitor Jacaré e Everaldo no ataque. O camisa 29, inclusive, chegou a fazer função mais defensiva em momentos da partida. O lateral Gilberto reforçou a marcação pelo centro do campo, enquanto Jacaré se posicionou do lado direito. Mingotti e Ademir deram lugar à dupla ofensiva. No meio, Acevedo substituiu Rezende e Yago povoou mais o meio-campo entrando no lugar de Rafael Ratão. Matheus Bahia também saiu do banco e substituiu Camilo Cándido na lateral esquerda. Correio da Bahia