Joilson Cesar/ BNews

Um dia após se encontrar com o governador Jerônimo Rodrigues (PT) para tratar das eleições municipais, o ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB) disse na terça-feira (29) a este Política Livre esperar que o candidato da base do Executivo estadual à Prefeitura de Salvador seja definido até “meados de outubro”. Ele defendeu que o vice-governador Geraldo Júnior (MDB) seja o escolhido, mas ressaltou que a candidatura emedebista só vai vingar se tiver o apoio de todos os aliados.

“Insisto, e falei com o governador, que Geraldo nesse momento é quem melhor tem condições de disputar a eleição em Salvador com competitividade. Mas deixamos claro também, mais uma vez, que o vice-governador não será candidato apenas dele mesmo, ou do MDB. Esse é o entendimento do partido e do nosso vice. Para que isso ocorra, ele terá que ser o nome a unir toda a base. Geraldo Júnior é o melhor candidato em Salvador, mas não seremos agentes de marola ou de turbulência do governo que ajudamos a eleger”, afirmou Geddel.

“Apelamos ao governador para que, junto com as forças da base, tome a decisão (sobre quem será o candidato em Salvador) até meados de outubro. Se passar disso, passa à sociedade um recado de sentimento de incapacidade, de falta de unidade para a construção da vitória, que é factível, possível e viável. A mesma unidade que levou Jerônimo à vitória em 2022 nos levará também à vitória na capital em 2024”, acrescentou o ex-ministro.

Geddel menosprezou a declaração de apoio do presidente da Câmara Municipal de Salvador, vereador Carlos Muniz (PSDB), à reeleição do prefeito Bruno Reis. “Não tem o peso que muitos estão querendo dar”. Sobre a estratégia do PT de lançar como pré-candidato ao Palácio Thomé de Souza o deputado estadual Robinson Almeida (PT), o emedebista elogiou o parlamentar, mas lembrou da experiência negativa de 2020.

“Robinson é um quadro que prestou grandes serviços ao governo do hoje senador Jaques Wagner (PT). Ele tem uma importância dentro do PT e acho que a candidatura dele foi mais colocada para compatibilizar as diversas correntes internas do partido. Mas eu acho que o PT já teve a experiência negativa de 2020, quando lançou, em Salvador, a respeitada Major Denice como candidatura a prefeita e deu no que deu. Por isso, é importante que haja uma única candidatura da base do governador e temos que sentar na mesa e discutir quem será. O MDB vai respeitar seja qual for o escolhido”, garantiu o ex-ministro.

O encontro de Geddel com Jerônimo aconteceu na segunda-feira (28), nas instalações do Executivo baiano na Secretaria da Segurança Pública (SSP), no Centro Administrativo da Bahia. Estiveram presentes ainda o presidente estadual do MDB, Alex Futuca, que também é presidente da Cerb, e o presidente de honra da sigla, Lúcio Vieira Lima, irmão do ex-ministro. O secretário de Relações Institucionais, Luiz Caetano, e o chefe de Gabinete, Adolpho Loyola, também compareceram. Política Livre