O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem se articulado nos bastidores para atrapalhar a candidatura do ministro Henrique Meirelles (Fazenda) à Presidência da República. A movimentação é reflexo do que tem se mostrado “agenda eleitoral” do ministro segundo informações do Estadão Conteúdo.

 

Na última sexta-feira (5), por exemplo, Meirelles participou de um evento evangélico em Brasília. O deputado Pauderney Avelino (AM), secretário-geral do DEM, até criticou o ato. “Em vez de falar de eleições, ele deveria estar centrado na estratégia para aprovar a reforma da Previdência”, disse, de acordo com o Estadão.

 

“Meirelles tem de cumprir a tarefa dele no Ministério da Fazenda. Não pode confundir. Na hora que mistura política partidária e política econômica, uma delas sai prejudicada. Como ele quer ter uma política fiscal eficiente e fazer parte do balcão de negócios da política? Em lugar nenhum do mundo isso combinou”, avaliou Danilo Forte (DEM-CE). Os aliados de Maia querem desgastar o titular da fazenda com parlamentares.

 

Um exemplo é o veto de Temer ao projeto que cria o parcelamento de dívidas tributárias, o Refis, para micro e pequenas empresas. Maia fez questão de deixar claro aos colegas que a decisão do presidente foi orientada pela equipe econômica.

 

Na semana passada, Maia e Meirelles entraram em choque quanto à articulação para mudar a “regra de ouro”, que impede a emissão de dívida para o pagamento de despesas correntes, como conta de luz e salário de servidores.

 

Meirelles minimiza a articulação do demista e disse que os dois trabalham juntos na aprovação da reforma da Previdência. O presidente da Câmara é cotado para concorrer ao Planalto nas eleições deste ano, algo que ele já admitiu estar disposto a discutir.