EC Vitória

O Vitória terá um goleiro formado na Toca do Leão como titular para a estreia da Série B do Campeonato Brasileiro. Com Martín Rodríguez em recuperação de uma cirurgia no joelho, Ronaldo começará a partida contra o Sampaio Corrêa, programada para sábado, às 19h (de Brasília), no Barradão.

Com 23 anos, o prata da casa já viveu momentos distintos com a camisa rubro-negra. Passou por uma fase com muitos questionamentos do torcedor, mas conseguiu ganhar a confiança da torcida e da comissão técnica ao se destacar em partidas importantes, como o Ba-Vi disputado no início do ano, vencido pelo Vitória por 2 a 0.

Para o goleiro, os momentos difíceis foram importantes para adquirir experiência e ganhar a maturidade necessária para atravessar as fases complicadas, como a das últimas semanas. Na retomada do futebol, que ficou paralisado quatro meses, o Vitória foi eliminado na Copa do Nordeste e no Campeonato Baiano, o que elevou o tom das críticas direcionadas ao time treinado por Bruno Pivetti.

– Em relação à pressão da torcida, acho que é normal. Claro que às vezes para quem é da base a cobrança é um pouco maior. Hoje vejo que foi importante para mim a cobrança. Mais amadurecido psicologicamente. A cobrança é normal quando a gente acaba sendo eliminado em duas competições onde os objetivos eram chegar na final e conquistar títulos. Claro que a torcida tem o direito de cobrar, mas a gente sabe que nosso objetivo principal agora é o acesso para a Série A, que é o lugar de onde o Vitória nunca deveria ter saído

Com as eliminações, o Vitória teve duas semanas dedicadas exclusivamente aos treinos de preparação para a estreia na Série B. O fato da primeira partida da competição ser realizada no Barradão é vista como uma vantagem por Ronaldo, embora não exista a possibilidade de contar com a torcida, já que, por conta da pandemia, os jogos ocorrem com portões fechados.

– Claro que o fator casa, o que mais influencia é o fato torcida. Acho que cada gramado tem suas características. Barradão é nossa casa, a gente está mais adaptado a jogar no Barradão. Isso pode ser uma vantagem na questão de conhecer cada espaço, ter noção, ajuda a localizar no gramado. Essa é uma das vantagens. Mas, como falei, dentro de campo as duas equipes tentam buscar o melhor. Não adianta só falar que tem vantagem e na hora não ter benefício. A gente tem que jogar, impor nosso ritmo.

Adversário da estreia na Série B, o Sampaio Corrêa voltou a jogar no último fim de semana, após ficar sem entrar em campo por quase cinco meses. Na retomada, o time maranhense venceu Imperatriz e Juventude-MA, partidas realizadas pelo estadual.

Mesmo que o adversário tenha ficado mais tempo parado que o Vitória, Ronaldo não enxerga que o ritmo de jogo possa ser uma vantagem para o Rubro-Negro, que se apresentou quatro vezes desde julho.

– Sampaio Corrêa acabou tendo dois jogos na sequência depois de um longo tempo. Acho que não tem essa de vantagem. Tem a questão da viagem, mas quando entra em campo, todas as equipes querem ganhar. O que vale mesmo é dentro de campo. Tanto o Vitória quanto o Sampaio vão brigar pela vitória.

Largar bem na Série B é importante para o Vitória tanto em termos de pontuação quando na questão da moral do elenco. Promovido a técnico do time principal em junho, Bruno Pivetti ainda não venceu à frente do Rubro-Negro. Globoesporte