Foto: Carlos Moura/SCO/STF.

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Rosa Weber afirmou que chegou a se reunir com o governador Jerônimo Rodrigues (PT) para relatar a situação de “desamparo” das comunidades quilombolas do estado. A declaração foi dada nesta quinta-feira (24), durante abertura da sessão da Suprema Corte. Segundo a magistrada, o pedido de “cuidado” aconteceu antes do assassinato de Mãe Bernadete, líder quilombola, em Simões Filho.

“Fiquei tão impressionada com aquela visita que, quando estive com o governador do estado da Bahia à noite, em um jantar que sua excelência ofereceu, registrei e pedi um cuidado especial com os quilombolas, tamanha a situação que me parece de desamparo, uma situação muito difícil das comunidades quilombolas”, disse Weber.

A sessão desta quinta foi aberta, a pedido da ministra, com um minuto de silêncio em solidariedade aos amigos e familiares da líder quilombola. Em um breve discurso, ela lembrou de seu encontro com a ialorixá em julho deste ano, no quilombo do Quingoma, em Lauro de Freitas.

Neste encontro, Mãe Bernadete relatou que vivia sob constantes ameaças e pediu ajuda da Suprema Corte. Após a morte do seu filho Flávio Gabriel Pacífico dos Santos, conhecido como Binho do Quilombo, a líder religiosa estava sob proteção do programa federal de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos (PPDDH).

Mãe Bernadete foi assassinada na última quinta-feira (17), dentro da própria casa, no Quilombo Pitanga dos Palmares, em Simões Filho. De acordo com familiares, a líder quilombola foi executada com 20 tiros. O caso está sendo investigado pelas Polícias Federal e Civil, que aponta três possíveis teses para o homícidio: terreno do quilombo, intolerância religiosa e a disputa das facções criminosas para ocupar o espaço. Bahia.Ba