Wagner Lopes | CC

Atual ministro da Casa Civil, Rui Costa (PT) já disse que a cobrança de mensalidade nas universidades públicas de alunos que tenham condição de pagá-la não deve ser tratada como um tabu. A declaração ocorreu em maio de 2019, quando o petista baiano ainda era governador da Bahia.

“Uma família que pagou educação privada a vida inteira não tem condições de contribuir com a universidade? Qual o problema disso?”, questionou o governador, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

Ele ainda comparou o cenário brasileiro com o de países da Europa e afirmou que, sendo mais pobre, o Brasil não pode abrir mão de fontes de financiamento para universidades que países ricos não abrem mão.

A cobrança de mensalidades nas universidades é contestada por setores da esquerda. A ex-deputada federal Manuela d’A´vila (PCdoB) criticou, neste domingo (7), a possível medida em publicação no Instagram.

“Há décadas o nosso campo defende a ideia óbvia de que qualquer cobrança de mensalidade é abrir as portas para o Cavalo de Tróia da privatização entrar. Manobras para reduzir as verbas do Fundeb num dos países que menos paga aos professores é criminoso. Governo que, tenho certeza, nem sonha com essas medidas, deveria negar imediatamente as especulações da Folha”, escreveu a comunista.

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) estuda medidas de ajustes de despesas na área da educação e uma das possibilidades é a cobrança de mensalidade de alunos ricos em universidades públicas, segundo informações publicadas pelo jornal Folha de S. Paulo. Correio da Bahia