Foto: Tom Costa/MJSP

O ex-ministro da Justiça, Anderson Torres, preso em Brasília desde janeiro, conta com novos advogados para traçar uma nova estratégia para recuperara liberdade. De acordo com a coluna de Malu Gaspar, no jornal O Globo, a nova equipe de defesa de Torres conta com duas prioridades bem definidas. Uma delas tentar se aproximar do Supremo Tribunal Federal (STF) para convencer o ministro Alexandre de Moraes a rever a sua prisão.

Para isso, foram escolhidos advogados mais distantes da família Bolsonaro e mais próximos ao ex-presidente Michel Temer e ao governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB). Ainda segundo a publicação, um dos novos advogados de Torres é Eumar Novacki, especializado em administração pública e sem experiência com direito penal. No entanto, ele foi ministro interino da Agricultura de Temer, e é próximo do empresário Blairo Maggi, amigo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Outro nome próximo a Temer que integrará a defesa de Torres é o ex-chefe da Advocacia-Geral da União (AGU), Fábio Medina Osório. Ele vem sendo apontado como o orientador da estratégia de defesa. Para o advogado, um caminho para tentar tirar o ex-ministro da Justiça é seguir comparando a situação de Torres com Ibaneis, que reassumiu o governo do DF após ficar afastado por 66 dias.

No entanto, apesar de ter permitido Ibaneis voltasse ao posto, Alexandre de Moraes deixou claro que “a medida cautelar poderá, de ofício ou a pedido das partes, voltar a ser decretada, se sobrevierem razões que a justifiquem.”

Antes de Novacki e Medina Osório assumirem a defesa de Torres, o advogado Rodrigo Roca comandava a defesa do ex-ministro da Justiça. O jurista defendeu o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) no caso das rachadinhas. No entanto, ele deixou o caso após pessoas próximas ao parlamentar notarem que não seria uma boa estratégia contar um advogado tão próximo do clã Bolsonaro. BNews