Foto: Divulgação | Polícia Civil

O motorista de 33 anos, identificado como Udson Willian Santos de Jesus, popularmente conhecido como ‘Foguinho’, encontrado morto nesta terça-feira, 9, na zona rural de Santo Antônio de Jesus, após ficar cerca de três dias desaparecido, já possuía passagem pela polícia.

Em agosto de 2019, Foguinho havia sido preso por policiais da Delegacia Territorial no município de Salinas da Margarida, no Recôncavo Baiano. O motivo seria que ele teria agredido a enteada, uma bebê de apenas sete meses. Cerca de um mês após o ocorrido, a mãe da bebê também foi presa após a polícia descobrir que ela também participava das agressões.

Foguinho cumpriu a pena e rodava como motorista de transporte alternativo. No sábado, 6, ele estava com a esposa quando teria oferecido carona para três indivíduos — dois homens e uma mulher, na BA-046. No meio do percurso, o trio anunciou o assalto. Eles foram com o rapaz até uma área de mata, quando deixaram a mulher no local e seguiram viagem com o motorista.

Depoimento da esposa aponta que Foguinho ainda tentou reagir ao assalto e teve um dedo cortado pelos criminosos. O carro de Udson William foi encontrado abandonado no dia seguinte, na cidade de Castro Alves, cerca de 90 quilômetros de distância de Santo Antônio de Jesus.

O corpo de Foguinho foi localizado na terça-feira, 9, em avançado estado de decomposição, também na zona rural de Santo Antônio de Jesus. Em nenhum momento, houve pedido de resgate por parte dos suspeitos. As guias de remoção e perícia foram expedidas. Diligências são realizadas para identificar os autores, bem como esclarecer as circunstâncias e motivação do crime. A Tarde