Foto: Jorge Jesus/bahia.ba

A Secretária de Assistência e Desenvolvimento Social do Estado da Bahia (Seades), Fabya Reis, repudiou os casos de estupro coletivos registrados durante o carnaval de Salvador. Para chefe da pasta, os episódios demostram “a face cruel do que representa ainda a fragilidade para as mulheres no espaço público, na cena pública”.

“Isso é um reflexo, ainda, do machismo e do patriarcado que acham que nossos corpos estão à disposição para uso. É horrendo. Demonstra a face cruel do que representa ainda a fragilidade para as mulheres no espaço público, na cena pública”, disse Fabya Reis ao bahia.ba, nesta segunda-feira (12), durante a Mudança do Garcia, em Salvador.

De acordo com a secretária, a gestão de Jerônimo Rodrigues está “tomando todas as providências” relacionadas ao caso. Ela destaca ainda que a Segurança Pública tem atuado na busca “das pessoas que cometeram essa atrocidade”.

“Nós temos o Governo do Estado tomando todas as providências. No geral estamos celebrando um Carnaval sem ocorrências nos nossos circuitos, mas casos como esses chamam a atenção e o governador está agindo em conjunto com a Força Pública [e] tem se dedicado à busca das pessoas que cometeram essa atrocidade, esse crime bárbaro”, pontua.

A gente espera [que os responsáveis pelo crime] sejam encontrados o mais rápido possível e sejam levados à Justiça. Mas continua o debate sobre os nossos corpos, sobre as mulheres nos espaços públicos”, complementa.

Na madrugada de domingo (11), uma mulher foi estuprada por cerca de três homens no bairro de Ondina, em Salvador, durante a folia momesca. O caso é o segundo registrado durante o período do Carnaval. O primeiro ocorreu em 9 de fevereiro. Para as autoridades, a vítima informou ter sido abusada sexualmente por sete homens nas proximidades do antigo Salvador Praia Hotel. Bahia.Ba