O Banco Nacional de Itens (BNI), plataforma que reúne questões testadas e aprovadas para compor as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), está perto de esvaziar. Segundo informações do Jornal O Globo, servidores do Inep, instituto responsável pela realização e aplicação da prova, alertam para a falta de novas questões no banco, que não é alimentado desde o fim do governo Temer, há três anos. Atualmente, segundo duas pessoas que participaram da elaboração das provas, não há questões disponíveis para o exame de 2022.

Nas gestões anteriores, ainda segundo os servidores, todos os anos o banco recebia novas questões. A falta de novas perguntas explica, por exemplo, por que não houve uma só questão ou texto citando a pandemia de Covid-19. Surgida em 2020, ela ainda não existia quando as últimas questões foram incluídas no banco, há três anos.

Os servidores apontam que a constante troca de gestores na direção do órgão atrapalha a alimentação do banco.O Inep já teve quatro presidentes durante o governo Bolsonaro. Já o  comando da diretoria de Avaliação da Educação Básica, diretamente responsável pela elaboração da prova, também teve alta rotatividade, com seis diretores nesse período. O cargo também chegou a ficar quase cinco meses sem titular, em 2019.

O último edital para criação de novas questões foi lançado em 2020. Os professores escolhidos para montar as novas questões foram chamados há dois meses para o curso de capacitação, que já foi concluído. Os servidores do órgão, no entanto, afirmam que ainda não está claro se o processo está garantido com segurança, já que o prazo está apertado.