© Tânia Rêgo/Agência Brasil

Após a jovem Jéssica Vitória Canedo, de 22 anos, cometer suicídio dias após a divulgação de uma notícia falsa em páginas de fofoca como a Choquei sobre um relacionamento dela com o comediante Whindersson Nunes, o ministro dos Direitos Humanos, Sílvio Almeida, defender a regulação das redes sociais em postagem feita no X (antigo Twitter). “Por isso, volto ao ponto: a regulação das redes sociais torna-se um imperativo civilizatório, sem o qual não há falar-se em democracia ou mesmo em dignidade. O resto é aposta no caos, na morte e na monetização do sofrimento”, disse o ministro.

Almeida destacou que este é o segundo caso de suicídio de pessoa jovem em um mês que tem relação com a propagação de mentiras e de ódio em redes sociais. “Tragédias como esta envolvem questões de saúde mental, sem dúvida, mas também, e talvez em maior proporção, questões de natureza política. A irresponsabilidade das empresas que regem as redes sociais diante de conteúdos que outros irresponsáveis e mesmo criminosos (alguns envolvidos na politica institucional) nela propagam tem destruído famílias e impossibilitado uma vida social minimamente saudável”, escreveu Sílvio Almeida.