Foto: Acervo pessoal

O homem suspeito de matar o dentista Lucas Maia de Oliveira, de 36 anos, no prédio de luxo Celebration Garibaldi, em Salvador, fez um percurso de uma hora com o carro da vítima antes de abandonar o veículo na região da Avenida Vasco da Gama, próximo da região do Vale da Muriçoca, a cerca de 2,5 quilômetros do edifício.

Segundo investigadores da Polícia Civil, o veículo modelo Nivus é automático e tinha rastreador. O homem que cometeu o crime ficou entre 20 e 30 minutos dentro do carro, na garagem do prédio, que fica na Avenida Cardeal da Silva, no Rio Vermelho, antes de deixar o local.

Confira o percurso feito pelo suspeito 👇

Percurso feito pelo suspeito de matar o dentista — Foto: Arquivo Pessoal

Confira abaixo o trajeto feito pelo suspeito:

  • 👉 O suspeito deixou o prédio Celebration Garibaldi, que fica na Avenida Cardeal da Silva, na altura do bairro Rio Vermelho;
  • 👉 O homem passou na frente do Hospital Jorge Valente, localizado na Avenida Anita Garibaldi;
  • 👉 Em seguida, percorreu por bairros como Federação e Engenho Velho de Brotas, passando pelo prédio da Fundação Pierrer Verger;
  • 👉 O veículo foi abandonado na Avenida Vasco da Gama, próximo da região do Vale da Muriçoca, a cerca de 2,5 quilômetros do edifício.

Suspeito usou capuz para evitar câmeras de segurança

A câmera de segurança da garagem flagrou o momento que o suspeito caminha pela garagem, que, de acordo com identificação da câmera, seria o segundo pavimento de estacionamentos, o G2. No registro, é possível ver que o relógio marca 01:30. O homem usa capuz e caminha com tranquilidade, enquanto empurra a mala até desaparecer da imagem. Não é possível ver se ele segue em direção aos elevadores ou tem outro destino.

Sepultamento

O corpo de Lucas Maia foi enterrado na tarde de domingo (26), em Santo Antônio de Jesus, no recôncavo baiano. A despedida foi marcada por muita comoção de familiares e amigos, que se reuniram no Velório Paroquial.

Em seguida, eles seguiram para o cemitério municipal, onde o corpo foi sepultado. O corpo do dentista foi encontrado no sábado (25). Imagens do suspeito de cometer o crime foram registradas por câmeras de segurança do prédio e também são analisadas pela Polícia Civil, que investiga o caso.

Golpe e medida de segurança

Segundo amigos de Lucas, o dentista tinha a prática de compartilhar as fotos das pessoas com quem se relacionava, porque há cerca de um ano foi vítima do golpe ‘boa noite, Cinderela’. Nesse tipo de golpe, as vítimas são dopadas e roubadas. Na ocasião, Lucas teria ficado dois dias desacordado. Não há informações sobre o que teria sido roubado.

Após o ocorrido, ele passou a colocar em prática algumas medidas para a própria segurança, entre elas, o compartilhamento de imagens das pessoas com quem se relacionava.

Pelo menos seis amigos, parentes e diarista de Lucas já foram ouvidos pela 1ª Delegacia de Homicídios (DH/Atlântico) da Polícia Civil, até o domingo (26). Novos depoimentos ainda devem acontecer. A família suspeita que o dentista, mais velho de seis irmãos, tenha sido dopado. Não houve sinais aparentes de violência no corpo da vítima.

Carro localizado

A Polícia Civil localizou, no domingo, o carro de Lucas. O veículo estava na região da Avenida Vasco da Gama, próximo da região do Vale da Muriçoca, a cerca de 2,5 quilômetros do edifício onde morava o dentista.

O veículo foi levado para o pátio da Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e passou por pericia na manhã de domingo. A chave reserva não foi localizada e um chaveiro foi chamado para abrir o veículo.

Segundo familiares de Lucas, além do carro, a TV e o notebook do dentista foram roubados. O imóvel estava revirado e, segundo a polícia, foi saqueado. Além isso, móveis foram quebrados. Novas imagens de câmeras de segurança do condomínio foram solicitadas para serem analisadas.

Ainda não há informações sobre a autoria e motivação do crime. Informações iniciais indicam que o dentista estava desaparecido desde quinta-feira (23) e seu corpo foi encontrado amarrado na cama. Havia pó de café espalhado pelo chão da sala. O cachorro da vítima, de nome Hashi, estava preso na varanda. Ele está sob os cuidados de um amigo do dentista. G1